METODOLOGIA DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO COM PEDRO DEMO

tem conhecimento científico há muitos pode parecer que seja uma coisa óbvia mas é o que há de menos óbvio no mundo científico é definir o que é científica uma grande polêmica grande quer ela aí também todas as possíveis metodologias vigentes desde dialéticos de um lado e também os diabéticos um saco de gatos não tem atlético única e os positivismos estruturalismo sistemistas e modismos mas para oferecer uma discussão utila que possa ser usada também na análise escolar e dentro da universidade 80 e simplificar um pouco essa discussão eu tentei distingue entre critérios formais e critérios políticos então os critérios formais pegam essa idéia clássica tradicional de zero stop eles passando pela idade média até hoje que o discurso científico é um discurso formalizado um discurso matematização discurso ordenado como diz muito bem o fuku go quase um provérbio a ordem do discurso mas o problema é que o discurso é ordenado e tem por obrigação captar uma realidade que não é ordenada então quando o discurso de na realidade já artificialismo um pouco porque de certa maneira força realidade que morán chama de ditadura do medo porque já se vê que a querela é interminável mas alguma coisa são consensuais por exemplo os critérios formais são consensuais quando você senta com quatro colegas para examinar uma tese de doutorado porque você aprova uma tese aí vem a questão é porque científica como que é científica e dos critérios formais são aqueles mais usuais que é coerência consistência sistemático ter alguma originalidade objetivo antigas e não objetiva porque isso muita gente não acredita eu não acredito em objetividade mas você tem que ter pelo menos a intenção de captar a realidade e não de querer deturpa lá e você já saiba deturpa então fica uma deturpação em cima de outra deturpação você pelo menos tem que sair com o compromisso metodológico e respeitar a realidade claro que dentro da auto referência da interpretação muito perto a realidade como eu a vejo outra maneira de interpretar mas eu posso comunicar isso aos outros posso meter a crítica dos outros você pode ter uma certa aproximação interessante aí pois é o mais usual o que pode chamar a atenção nessa discussão são os critérios políticos que uma vez por exemplo eu achava que eram externos uma vez diziam critérios externos de um digo mais eu acho que são critérios internos também porque eu gostaria de entender o conhecimento também como um fenômeno político que o conhecimento é uma grande fonte de poder é uma tradição imensa nesse tipo de coisa tem muitas narrativas importantes em torno disso por exemplo bem conhecido aqui no brasil é um país católico católica o relato do gênesis nem o pecado de adão e eva que no imaginário popular é um são um problema de sexo não tem nada disso o eva pecaram por que comeram da árvore do conhecimento do relato sendo lido por essa visão é é assim uma coisa super interessante e surpreendente né segundo o relato a deus tem um paraíso com árvores frutíferas no meio de uma especial e 10 ele proibiu que o eva começou aí a serpente de comer 10 porque se vocês comerem das árvores os olhos vão se abrir e vocês serão como deuses sexo foi soberba conhecimento é uma centelha divina no ser humano e por essa centelha divina é a criatura que se volta contra o criador e isso se tornou um poderoso isso na nossa história tomando então paulo freire por exemplo como é que se volta contra o professor se tiver conhecimento se tiver essa visão crítica contra o senhor se o empregado crítico padrão se a questão técnica do conhecer formal em um jogo de poder eu acho que o poder não vem de fora e subreptícia mente entra na casa do conhecimento não ele já mora lá dentro eu acho que o conhecimento já é naturalmente uma dinâmica do poder poderia também fazer outra argumentação geralmente nós temos medo de quem sabe pensar conhecimento sempre está cercado de controle na verdade se chama tanta atenção porque se você olhar bem hoje na universidade e você só pode fazer teses de mestrado e doutorado sobre a inquisição tem que ter um orientador e quem decide é o orientador você que decide o conhecimento é tão importante que não pode andar por aí não pode ser popular também né é por isso também que depois doutorado reinventar o pós-doutorado e quando tiver muito pós-doutor evento mais coisa que é a catedral que o conhecimento faz também como poder estava dizendo é fácil de lidar com o pobre com fome difícil pobre que sabe pensar que ele já tenha seus direitos ele se acha igual ele começa a conversar e também quer fazer sua ideologia que fazer sua proposta e tal né e talvez isso explique um pouco hoje é da controvérsia que existe em torno do bolsa família a gente acha que o bolsa família resolve uma coisa importante é comer a noiva usava a outra coisa importante é tirar o país da pobreza debaterá o pobre da pobreza ele precisa ir além de só comer ele tem que tomar a iniciativa tem que se organizar tem que pressionar e aí precisa conhecimento do conhecimento é uma referência importante cima na história da humanidade que hoje retorna com uma força incrível natal sociedade do conhecimento a grande moeda de troca para falar uma linguagem escrachada neoliberal é conhecimento do vírus todas as capitais do capital intelectual capital do conhecimento capital cultural e tantas coisas né mas que sempre coloca na berlinda essa importância do conhecimento tendo esta da humanidade gostaria de me falar das universidades universidades são as nossas catedrais do conhecimento que surgiram há 800 anos atrás e sempre estiveram ao serviço desta causa superar o argumento de autoridade colocar tudo a serviço da autoridade do argumento da pesquisa como comandante das coisas também se passou por outro lado né ai derrubamos todas as autoridades né a igreja teologia filosofia alquimia e por aí afora mas nos tornamos autoridade também discutível aí muita gente não vai dizer que a nova igreja está maneira no ocidente né é a universidade é a ciência é claro que a gente teve um gesto importante fazer uma crítica que mudou muito que introduziu uma nova história mas não foi autocrítica é uma coisa hoje muito batida no pós modernismo toda crítica sua crítica se for antes autocrítica lembra quem sofre esse gesto de crítica de informação crítica vai e volta vai embora e chega à sócrates conhecimento conhecimento sobre o primeiro dos limites do conhecimento e tecnologia ocidental que sempre usou a epistemologia como referência de crítica conhecimento conhecimento é tanto mais profundo quanto mais ele sabe se criticar se questionado então o gesto principal do conhecimento sempre o questionamento não é afirmar e confirmar isso é fácil difícil é questionar diz construir reconstruir reconstruindo sabendo que em seguida vai ser desconstruído então os critérios políticos que não estava na discussão também são muito importantes né por exemplo bastaria olhar para a questão do argumento de autoridade que não é argumento mas é muito usado olhando também a obra do com a estrutura das revoluções científicas e que ele montou a sede do paradigma no setor da escola viram um paradigma que quer dizer isso vira dominante aí tem vaca sagrada que não são discutidas a escola começa a ficar medíocre porque não cita outro outro se tu não sei mas aí tem que quebrar sem querer fazer de novo ver como tem um jogo de poder aí também não nunca a ciência é apenas um jogo lógico muitos vão falar também de multicultural sandra harvard nos estados unidos tem uma obra muito interessante tentando mostrar que o conhecimento é multicultural existem muitas maneiras de conhecer não é só a eurocêntrica e também se agride muito a ideia dos universais que quando você adota as idéias universais você de certa maneira empurra a convicção de que o modo de fazer ciência que nós temos aqui no no ocidente europeizada o único e que os outros outros outros mundos num tem ciência do boleto do santos que é uma obra muito interessante para mostrar que existem outras culturas outros saberes ele fez um grande apanhado de saberes africanos por exemplo que não tem estruturação sentido que nós temos não são formalizadas como nós temos não sou matemático usado como a gente gosta mas tem uma profunda comprovação de experiência e talvez até em grande parte também em lógica mas para nós aqui é difícil tirar essa idéia de que o nosso conhecimento é de pedra nele não se mexe ele é sagrado e é uma coisa esquisita é porque ele veio do questionamento mas não quer mais ser questionada na verdade o edifício da ciência sempre teve muitas rachaduras e mesmo o imperialismo no positivismo teve rachaduras impressionantes a mais conhecida de um que achava que as das aparências empíricas nunca traduzem a verdade e que depois ou polpa colocou como o critério da falibilidade ele tem uma proposta que valia a pena é tratar um pouquinho nele segundo a idéia dele é a indução que o método que vem da experiência e testar as coisas concretamente antes de generalizar ainda só não vale por duas razões primeiro porque você não podem nunca coletar todos os casos empíricos que podem cair embaixo daquela generalização por exemplo dizer que todos os cisnes brancos se não pode dizer que você não consegue ver todos os cisnes brancos que existiram onde que existem hoje e garante que não vai sistema nenhum que seja button é uma regressão infinito que ele dizia e outro argumento que ele tenha que a indução nasce não indutivamente nasce como um princípio metodológico ou seja dedutiva mente é o aborto dizia assim nenhum dado empírico comprova qualquer coisa que vai contra por exemplo essa tradição que é muito como nossa estados unidos então é uma epidemia mas tais evidências empíricas popper foi um positivista que não acreditava evidências empíricas e ele criou então a idéia da falibilidade das teorias as teorias valem se forem falíveis ou seja se estiverem abertas a serem questionados sendo questionada se não sendo derrubadas mas continuam valendo provisóriamente positivismo muitos gêneros nem porque sai daquela idéia de de segurança de conhecimento final e tal que geralmente está nos positivista de que o chamado paradigma moderno e de certa maneira já tinha uma certa ideia do que nós chamamos hoje paradigma pós moderna que as verdades são relativas foi um grande problema para o mundo científico disse que a verdade relativa como dizem os lógicos de fuso os cinza é a cor da verdade não é nem preto nem branco e alguns dizem ainda na linha reta sempre foi uma idéia de ditador a ciência não conhece linha reta a natureza não tem nenhuma linha reta nós em que inventamos a linha reta para impor coisas aos outros o ditador sim ou você encontra você é a favor não tem nada aí não veio mas é só questão de ditadura de se dizem eles inclusive né eu acho que a proposta após moderna hoje vem estabilizar essa segurança certezas essas infalibilidade essas coisas indiscutível então surgiu essa idéia que te desenvolver alguns livros de que o critério de cientificidade mais interessante não único de tv mas que eu acharia mais interessante é o de discutir mobilidade que quer dizer isso o discurso científico se for discutido em primeiro plano só que é discutível pode ser discutido o que é indiscutível é dogma então não tem nada a ver com ciência toda teoria só continua como teoria interessante se for discutido desconstruir a gente pode fazer pode retomar e que a história de todas as boas teorias por exemplo exagero e vive mas revive não vi mais ele revive em outras pessoas que reconstrói fácil ter inclusive com grandes virtude ou como marketing por exemplo mais conhecido zemarx tem sempre uma sobrevida impressionante de gente que vai lá e colocam mas não tem que reconstruir tem que fazer tem que discutir mais novo marcos como era no tempo dele entendeu né em segundo lugar a ser discutido não significa que o material principal da proposta teórica tem que ser um argumento aberto você não pode colocar nada definitivo ou você tem que saber fundamentar sem procurar um fundo último até produzir este ano um livro com esse título fundamento sem fundo decorre daí a validade relativa que coloca assim verdade é uma pretensão de validade vale definitivamente porque porque na história e na natureza conhecida nada é válido definitivamente temos que distinguir duas coisas a forma pode ser válida por dois e dois são quatro imagino eu aqui na lua ou em outro lugar que tenha alguma vida possa imaginar não garanto mas imagina mas a existência não há existência é intrinsecamente falível provisória o ser humano pode acabar ea vida continua então nós temos que nos livrar um pouco dessa pretensão das qualidades totais porque as coisas valem relativamente não quer dizer que não valeu nós temos muita pressa dizer uma só vale relativamente mas é única validade que vale é relativa como nós nós valemos relativamente então uma teoria piagetiana a vida de goiânia tem a qualidade relativa e aí que ela funciona e que são importantes que são úteis e não como dogmas então discutir mobilidade e colocou com essa ideia muito importante que você tem para um discurso valer e tem que ter duas coisas que fez qualidade formal e qualidade política em seu discurso tem que ser bem feito tem que ser metodologicamente correto tem que ser teoricamente consistente e tem validade porque nem sempre o que é lógico vale porque o charme de um charme que merece certa maneira em parte porque ela sempre mostrou tentou mostrar que o fundamental da realidade é dinâmica a dinâmica como constante e não a clássica até mesmo da evolução que é uma dinâmica na verdade mas é uma dinâmica que eles acham que a matemática e no fundo a idéia da dinâmica que a dinâmica não pode ser matemática saltos unidade de contrários que é um conceito fundamental da unidade de contrários à unidade sim mas de coisas contrárias que o ser humano é um ser humano incrível bagunçado conturbado e nunca se resolve e moro entendeu e dialética colocou muito isso e teve uma grande sorte porque o barco escrever um livro sobre elétrica e ele escreveu e da natureza para marx não só a economia a história é um fenômeno da natureza um pouco estudada digamos assim a escola de frankfurt rejeitou a idéia a escola de frankfurt valendo só para a sociedade aí vem um tal de progênie um químico matemático que foi prémio nobel e restaurou a dialética da natureza naquele livro dele a nova aliança que escreveu com stenders ele dedicou umas cinco páginas ao em deus dizendo do acerto daquele livro e vença história toda a flecha do tempo das estruturas disse pat vivas das dinâmicas encontradas para estar um pouco a idéia da unidade de contrário da e que hoje é um charme se você pega todas essas pesquisas físicas da emergência e tal de que modo de uma coisa simples uma coisa complexa ou então que a massa cinzenta produz pensamento como se diz a matéria se torna imaginação já têm dinâmicas têm níveis de dinâmica tem desencontro de dinâmicas tem coisas depois que são muito mais do que tinha antes isso que eles querem dizer que é ea elétrica porque a dialética da idéia de natureza produtiva natureza não se repete é uma rotina é um encadeamento de saltos nas bifurcações os rizomas e por aí afora eu acho que sempre que ser muito debate e acho que traz uma nova visão das coisas é muito importante para o mundo virtual que tem essa cara mundo virtual é fluido é desconstruído é fugaz não dura nada né uma das coisas mais impressionantes do que nada dura e nós temos a tradição do livro é que dura que guarda o manuscrito de milano c das contas e até uma grande pergunta como é que eu vou guardar essa coisa virtual aguardar como vai ter um pendrive é do tamanho não sei das quantas para guardar tudo isso ou vai se perder tudo isso a pergunta interessante com a dialética as referências com muitas ideias embora haja também muitas e alex é um grande erro imaginar que só tem a dialética marxista é a dialética também de várias fases de marx tem dialéticas mais filosófica menos filosófica de atleta da natureza do primogênito acho que não é unitário mas há um certo consenso que poderia gerar em torno do conceito de unidade de contrário o o positivismo ao contrário disso o positivismo a ideia de que existe uma realidade fixa uma realidade matemática a questão da análise que já posso colocar o grande trunfo da do positivismo e análise porque a ciência moderna surgiu da visão analítica analisar vem do grego navio significa decompor em partes você só entende aquilo que você decompõe partes olhando por exemplo anatomia fez isso consequentemente só entendo ser humano se dissecar pedacinho por pedacinho olhar lá dentro talita no todo você não vê nada aliás a visão que a gente tendo todo é aparente é fictícia com como a própria química mostrou a realidade é feita de 92 átomos que você não vê aparência 92 uma mesa assegura ter uma poltrona que não sai do lugar e tal mas segundo a química é um monte de átomos o turbilhão de átomos estabilizados aí não sei como então pela análise você chega os átomos não pela síntese então esse método foi o método consagrado primeiro repartir em pedaços que deu origem às disciplinas universidade fazer em pedaços não estuda tudo ninguém estuda tudo aí vem o especialista o total idiota especializado que sabe tudo de nada mas que também é importante porque se você tiver um câncer bem especial se vai rezar a deus para encontrar esse idiota especializados porque tem coisas especiais também não dá para ficar só com o especialista generalidade que sabe o montão de coisas sem nenhum aprofundamento eu acho que a análise tem o seu lado muito importante o estruturalismo foi mais consolidado para lhes trouxe que é um velhinho de quase 100 anos que andou muito pelo brasil também estudou os mitos indígenas ea idéia dele é também ligado ao positivismo formalismo de que todo o discurso mano tem regras internas que assim como se diz de toda a linguagem tem uma gramática você escutando o chinês falar parece que esse é o caos é que a gente não entende nada e mais atrás daquele caos em uma dramática de toda a linguagem existe uma gramática assim como existe um genoma assim como existe um código digital 15 de toda a dinâmica existem em toda a dinâmica existem coisas que se repetem o problema da ciência é que quando elas toda a dinâmica com este olhar ela no estudo a dinâmica estúdio estudo que se repete na dinâmica ou seja o que não é dinâmico na dinâmica este é o problema então você na verdade estudo a dinâmica pela explosão hoje é um grande preocupação metodológica da paz toda a dinâmica dinamicamente se for analiticamente não que você tem que partir da dinâmica em pedaços não é mais dinâmica e aí nós estamos perdidos o pós-modernismo colocou a questão mas também não tem solução estruturalismo então já estudou os mitos e tentou descobrir as formas que existem nos pensamentos também indígenas para mostrar por exemplo que quando o índio faz um mito sempre repete coisas aí ele fez os quatro mitologia que dele que a maneira de montar os eixos que ele é do desejo gira a linguagem o exemplo que ele dava por exemplo é da música a música são 12 semitons quando uma pessoa compõe música no centro o primeiro estudo os 12 semitons descobre que são 12 cm e faz música está lá dentro eu usava muito ainda inconsciente reportando se torna floyd nós temos uma cabeça similar por causa do inconsciente que é igual em toda a história da humanidade uma tese que hoje não se aceita mais em muitos lugares mas ele usava como hipótese de trabalho então por que os mitos são iguais mas não semelhante vamos dizer assim que o mito do mito do do alasca é ele é um mito bororo lá no alasca entre o animal do alasca evidentemente aquino no mato grosso entrou animado mato grosso mas as funções são as mesmas e talita então estruturalismo apostou na idéia da estrutura da idéia de que a estrutura é sempre a mesma a história vai sendo diferente mas a estrutura por baixo e sempre a mesma o sistemista então a idéia de que tudo é sistema quase todas as coisas também tem um todo tem uma feição de todo o ser humano é feito de partes de pedaços de braço e perna de henares de orelha mas fazem todo a ideia e montam tudo existe muita muita polêmica e dentro porque alguns pegam o todo para dar a ideia de que não dá para sair do todo então todo fechado é por exemplo a história de passione um sócio importante sistemistas de que a gente pode que pode haver mudança dentro do sistema mas não a mudança do sistema e hoje se batalha muito morango é uma ponta de lança diz de que existe sim mudança do sistema você passa para outro sistema por exemplo quando não havia vida na natureza não pode garantir que ninguém sabe concretamente mas supondo uma vez no ouvido e de repente ouvi vida mudou o sistema não foi só a mudança entre em cena interna a mudança de grande porte ou quando digamos surgiu o ser humano dentro dos animais todos certamente a mudança do sistema pela capacidade maior que nós temos de linguagem de pensamento e assim por diante pesquisa qualitativa é uma um assunto que considera da maior importância em parte porque aqui no brasil é um xodó mas tem muito abuso também eu costumo trabalhar mais ou menos assim a realidade como muito complexa não pode ser vista só formalmente empiricamente extensivamente eu acho que existe na realidade também dimensões e intensas ou chamar assim porque eu vou tentar loja' a pesquisa qualitativa tamanho dizer apenas que pesquisa qualitativa diferença quantitativa que não ganhou nada não definiu nada então queria dizer que pesquisa qualitativa se interessa por fenômenos específicos por níveis expressivos de verdade por exemplo o lado intenso vou dar um exemplo se você chega uma pessoa e perguntar você é feliz pessoa tem geralmente uns 80% de chance de dizer sou pergunta porque é que não é feliz vai ter que explicar e vai ser chato me desloquei felicitou-se seria se livrar logo dessa pergunta entendeu né mas o problema todo o lógico é que você não consegue captar a felicidade com uma pergunta dessa felicidade não é só extensa e intensa e para captar a intensidade não adianta perguntar você tem que se aproximar do fenômeno de outra maneira um outro exemplo também é muito conhecido o ibge é estudar de vez em quando associativismo como é que as pessoas se associam fazem ongs fazem fazem solidariedade e coisas do gênero assim como o ibge procede bg tem a obrigação de sempre com matemática e estatístico e talvez não pega o intenso e deixá lo fora e pegou extenso tony usa filiação então vamos dizer assim o pmdb tem tantos aliados o dem tem tantos filiados mas você não sabe nada da militância nem ibge vai atrás de militância para você saber se a pessoa militante também adianta perguntar geralmente a pessoa vai achar mais bonitos poder que é para saber se a pessoa militante de certa maneira tem que morar com ela olhar do observador que discutir isso é que está não sei se eu me faço entender bem existem fenômenos que eu chamo de intensos eles têm uma textura diferenciada do fenômeno meramente extenso não é outra realidade são níveis de realidade por isso também que não adianta fazer economia e de pesquisa quantitativa e qualitativa é a mesma pesquisa só que uma hora ia mais à questão intensa outro olha a questão mais extensa então pesquisa de felicidade estados unidos estudou felicidade classe estudou na década lado e 30 40 sem montanhas de pesquisa empírica e estatística não resolveu nada feliz é uma coisa muito complicada os próprios modelos de felicidade são incrivelmente diferenciados a idéia de que a infelicidade humana é feita dos desejos excessivos que a gente tem muita propriedade que inventaram nirvana que é como você esvazia uma pessoa do desenho a pessoa que não tem desejo nenhum só pode ser feliz porque não quer mais nada mas aqui para nós uma pessoa que não tem desejo nenhum é uma pessoa motivada pareceria pessoa interessante exatamente pelo desencontro de desejos que tem agora como é que seja feliz com o desejo dos encontrados então temos vários níveis e pode dar um jeito pode se aproximar e tal então não existe felicidade absoluta não existe um nível eterno de felicidade é uma coisa extremamente diferenciado não dá pra fazer generalizações por exemplo num mundo norte não se valoriza muito a amizade ea religião aqui no brasil um critério importante é a felicidade realizado e religião talvez latina visão mais mas africana talvez né mas aqui o brasileiro gosta de dizer assim na copa eu me sinto feliz com meus amigos e também com religião é uma referência importante já na suécia não então qual é o modelo correto eu acho que sim existem muitas maneiras de ser feliz então estou dizendo quando se faz uma pesquisa qualitativa de felicidade você tenta entender esses níveis de intensidade e não simplesmente a extensão das coisas o êxito tem a pesquisa quantitativa porque era que está na base também da história das tecnologias que você inventou o avião não foi com pesquisa qualitativa entender com pesquisa quantitativa matemática e tal já está mais que comprovada ela tem limites hoje é muito criticada porque ela se apossou da realidade na verdade ela não pesquisa a realidade ela pesquisa aquilo que cabe no método o que morram chama de ditadura da realidade visão é muito seletiva ea pesquisa qualitativa não conseguiu esse êxito porque também não se encaixou bem toda essa tradição também não era essa idéia somente sair dessa tradição mas para você montar uma tradição nova ela também teve que tem que ter a devida consistência nem sempre nós conseguimos isso bom a universidade tem uma história o chamassem de disciplinar os cursos são disciplinas separados com a tendência de cada um tem seu latim então você me entende a linguagem dos outros e também pessoal capricha na linguagem diferente para não poder poder não ser entendido entendeu então isso foi saturando aí o bom de matemática só tem matemático você vai poder parte de engenharia só tem dinheiro para a educação tem um psicólogo pedagogo serviço social têm uma certa timidez não é assim os cursos são um reconhecimento comum de que a realidade não é disciplinar o curso disciplinar mas a realidade não é uma realidade que nenhuma sociedade sociológica digamos assim ela também é política também é natural é biológica e tal você seleciona um lado sociológico e fica só com ele mas é um corte estranho entrar outras ideias que hoje estão na praça primeiro a idéia da multidisciplinaridade mas que não vingou muito porque o multi coloca as coisas contigo a 0 não se misturam a idéia era misturar então surgiu a interdisciplinaridade depois surgiu a transdisciplinaridade não existe muita diferença acho que se uma briga de termos mas acho que é importante na interdisciplinaridade é misturar as partes especial no trânsito que ir além de cada disciplina você pode fazer também na inter e eu não distingo muito os dois tempo quer dizer aí é que é preciso ir além da própria gaveta isso que é importante mas isto não elimina o especialista porque toda análise aprofundada é sempre especializada a realidade complexa ela exige certamente o conhecimento muito mais complexo mas como nós não damos conta do conhecimento muito mais completo tendo que dar conta de especialidades por isso a idéia de que a boa interdisciplinaridade o transmissibilidade é uma equipe então não adianta imaginar com muitas vezes se fez e pega cinco pedagogos e interdisciplinar ano é que 5 pedagogo somado não só tem que botar o pedagogo o físico matemático aí sim a gente pode ver o que é bom para tosse porque as cabeças são diferentes conhecimentos são muito diferentes ainda no ensino sido uma coisa que se perdeu na discussão se eu coloco junto um pedagogo um físico matemático o que o pedagogo espera do filho de matemático é que se metam a pedagoga mas que saibam física e matemática e vice versa que o matemático espera do físico e do pedagogo que saibam as suas coisas em movimento o matemático tocava até um pouco escala com o macaco no seu galho mas o galho de todos um texto científico que é uma pergunta que os alunos sempre fazem como é que um texto - em que científico é bom entender o texto o professor gosta de lei tal primeiro eu quero dizer que não tem regras fatais com muitas vezes se vê nesses textos que usam que trabalham a forma do texto quanto à linha tem que ter a página qual é o espaço da esquerda para a direita eu passei franco nunca me interessei por isso eu acho que o texto tem que ser criativo e interessante porém pode começar até com vírgula terminar com um ponto e vírgula não tenho problema quanto a isso me ligo muito mais em comum é que ele produz uma coisa que chama atenção que mostra que ele entender o assunto que ele sai pesquisar sabe laborais que o charme da coisa e para isso se podem colocar algumas formalizações de saúde como apoio mas não como como receitas prontas eu acho assim um texto científico ele começa com uma introdução que é pequena então não acho que dez páginas seja introdução das páginas um capítulo introdução para mim tem que ter três coisas fundamentais primeiro definir o tema dizer da canesta vou tratar disso de saúde sus segundo o qual a hipótese de trabalho onde eu quero chegar o que eu quero mostrar qual é o problema que eu quero desvendar aqui por exemplo eu estou escrevendo um texto sobre a aprendizagem a prender bem a minha posse trabalho pode ser assim aprender bem é uma dinâmica reconstrutivo isso que eu quero mostrar que quem aprende bem tem que reconstruir o que faz e terceiro lugar tem que dizer do que consta o texto todo que jamie do pedágio que a gente faz no fim os capitalistas bem isso a introdução primeira grande parte à fundamentação teórica você precisa montar a plataforma teórica que te dá chance de explicar as coisas não só de escrever não só a juntar aí você tem que definir os conceitos básicos nas categorias básica a histeria que você quer aproveitar e sobretudo a tua montagem teórica então esta parte não precisa ser um capítulo pode ser dois três ou quatro dependendo do tamanho que você vai dar o texto finalmente foi um livro por exemplo vai ter cada vez mais capítulos foram o texto for publicado no a revista talvez tenha um capítulo só você vai dar sua versão teórica que você vai usar para montar a sua hipótese que você vai explicar a sua hipótese vai dar corpo de tratamento acadêmico hipótese através de tais e tais e tais teorias que então já tenho uma grande criatividade significa muita leitura confronto com autores repassar autores ou não entendeu e depende da profundidade por se quedar o amplidão que você quer cobrir entender uma vez e não escapa e uma montagem teórica a segunda grande parte o colchão de parte metodológica que tem dois pedaços mais importante o pedaço na verdade mais candente que muitas vezes as pessoas esquecem é garantir para o leitor que você está fazendo ciência chamada então de cientificidade do seu texto porque você acha que aquilo que você está escrevendo é ciência a opinião no julgamento de coisa qualquer oferta mas é ciência então você tem que garantir seu discurso longo que refundar a roda entendeu que dizer que aqui por seu trabalho na na na região da dialéctica talita dialética acredito que as coisas científica se põe assim assado para dizer o meu texto sem caixa aqui segundo pedaço na metodologia da parte metodológica é se você quiser construir dados explicar que dados quantitativo e qualitativo uma mistura dos dois o soldado já existentes e vai aproveitar e talita geralmente as pessoas líquido a questão metodológica condado mas não é bem assim porque eu acho que a metodologia não tem não tem referência apenas a questão dos dados pode ter muita outra coisa também fazer um questionamento epistemológico você pode reaproveitar dados que estão aí eu acho também que pode haver uma pesquisa teórica pode ver também uma pesquisa prática que você vai discutir uma inserção uma intervenção é que os dados são de outra ordem vamos sondados propriamente empíricos a terceira parte importante chama de análise que é mais ou menos o seguinte se você tem uma hipótese de trabalho bem feito agora tem uma fundamentação teórica adequada e tem uma discussão metodológica suficiente você vai perguntar assim então qual é a conclusão que o tiro não é a conclusão que vem no fim que o texto pequeno pedaço ficando a conclusão grande o que é que eu vou colher chamo isso de colheita se você plantou uma boa hipótese uma boa teoria uma metodologia você colhe o que daí tudo de novo não precisa ser um capítulo só pode ser vários se você está pesquisando o que eu dei como exemplo antes de que eu aprender bem passa por uma dinâmica construtiva então olhando a teoria e métodos para dizer até que ponto você confirma a hipótese até que ponto você resolver o problema que você prometeu resolver então acho que uma parte em parrudo a parte importante que a pessoa demonstra que evoluiu bem que seriam todas a promessa feita na introdução e por fim vem a conclusão que deve ser pequeno a conclusão é o achado foi nos fundings como dizem os americanos machado principal que todo o seu percurso e também tem uma razão externa para colocar sim porque geralmente quando as pessoas pegam um texto digamos de 15 páginas que a pessoa faz normalmente lei introdução ea conclusão se você não fizer bem essas duas coisas e não vai ser lido mas se você fizer bem a introdução e conclusão você corre o risco de ser livre é muito importante fazer uma introdução elegante fazer conclusão curta e bem feita curta e grossa no bom sentido é para que a pessoa que nem aquilo eu vou ler o texto inteiro porque tem uma conclusão muito interessante e tem uma introdução também promissor ao ver como é que ele fez aí você já começa a mala digamos com contribuições para chamadas e tal e coisa do gênero por exemplo que eu combato muito são as tais generalidades que começará no dia essa generosidade por exemplo que é típico falar sobre a aprendizagem é um assunto muito difícil ponto para que esta frase deixa fora isso não tem nada a ver tá enchendo linguiça está enrolando entendeu na pedagogia é muito comum essa pessoa dando volta vai dando volta no entanto o assunto atacou azul do iguaçu em mata questão vai em cima dela vamos ser objetivos trata o problema não fique dando voltas e assim por diante que outros fazem às vezes com exagero porque tenho uma tese de doutorado em matemática vez de 30 páginas é exagerado mas de repente lá cap agora se for uma tese de doutorado em sociologia de 30 pai não dá mas também não precisa ter três mil a taxa caiu a questão também de bom senso o que eu insisto muito é preso na parte teórica mostrar habilidade de argumentar e contra-argumentar definir os conceitos categorias fazer uma boa polêmica porque tudo é polêmico na verdade de uma mostrar que você sabe preferir o argumento que você anda pela autoridade do argumento não pelo argumento de autoridade na tabela também na metodologia mostrar alguma originalidade mostrar que você sabe dizer o que a ciência se não faz de qualquer maneira a ihara que o seguinte qualquer instinto você sabe onde pisa isso é importante quando a gente vê um texto assim a gente geralmente é precivo a primeira um grande ponto é que o professor precisa aprender a pesquisar já que a pesquisa que fundamenta a docência dele áreas onde ser dele de ser autor entendeu que o grande grande vinculação com o professor tem que ter com pesquisa de se fazer autor e através disso também produzir um aluno autor que use muito melhor o autoridade do argumento boa fundamentação sem ser dono da verdade que aprenda melhor que se forme ó aí aparece toda grande qualidade de um professor ea grande qualidade de um aluno que esta capacidade de argumentar bem também de respeitar a realidade que perambula pelas teorias como aprendiz e não como quem sabe da verdade e já descartando valendo vai querendo dizer fazer um certo consenso possível ainda que sejam frágeis mas sempre em cima de uma boa argumentação é

Loading