Aula sobre Kafka

e não é o porteiro dá um banquinho e o homem fica sentado a lídia é dias e anos tão virgem por mais realista que seja um estilo narrativo do casca as suas narrativas vão sempre progressivamente mergulhando numa atmosfera de absurdo e realidade mas é isso pode parecer contraditório quanto mais absurda e quanto mais irreal a narrativa vai-se tornando mais sentidos elas vão fazendo para quem ler né mas mais elas vão dizendo sobre uma espécie de verdade fundamental acerca do homem da condição humana da justiça né das relações humanas em da vida em sociedade e etc como nós vamos ver né ele faz muitas tentativas para ser admitido e canso porteiro com seus pedidos e às vezes o porteiro submete o homem a pequenos interrogatórios pergunta-lhe a respeito da sua terra natal e de muitas outras coisas mas são perguntas indiferentes como aqui os grandes senhores fazem e para concluir repete sempre que ainda não pode deixá-lo entrar né essas perguntas em diferentes do porteiro que remetem de certa forma a indiferença da autoridade diante daqueles que a autoridade não precisa respeitar eu vou dentro daqueles que autoridade não precisa considerar ou diante daqueles que diante da autoridade não tem nenhum poder de fato em vistas delas estão na ordem quanto mais vai parecendo absurdo a narrativa mas se incrível ela vai fazendo quando nós olhamos próxima mente para para essas situações absurdas o homem que havia se equipado com muitas coisas para viagem emprega tudo por mais valioso que seja para subornar o porteiro e aqui entra um ele é esse elemento magnífico do casca né o homem que o camponês que quer entrar na lei empenhado em realizar o seu objetivo é a sua tarefa não se furta ele mesmo agir à margem da lei ou à margem da moral ou à margem da moralidade empregando todos os recursos disponíveis e os meios que ele tem para tentar subor e o porteiro com efeito este aceita tudo a todos os subúrbios mas sempre dizendo eu sou aceito para você não julgar que deixou de fazer alguma coisa né só aceita os subornos para você imaginar para que você não imagine que não fez tudo o que estivesse ao seu alcance né durante todos esses anos o homem observa o porteiro quase sem interrupção esquece os outros porteiros e este primeiro parece parece o único obstáculo para a entrada na lei dos primeiros anos amaldiçoa em voz alta e liberada o acaso infeliz não tem uma coisa importante ao mesmo tempo que a gente tem todo o problema quase óbvio do conflito do homem com a ideia da autoridade de poder e de justiça nós também temos por outro lado né embutido dentro da narrativa do casca uma espécie a crítica à obsessão humana que obsessão humana em qualquer obsessão humana e vejam nenhum desses nenhum desses dois personagens sede em nenhum momento nos seus desejos ao ponto e nas suas vontades ao ponto do desejo do camponês de entrar na lei e da vontade do porteiro de impedido dado a sua autoridade virar em duas objeções em confronto e num determinado momento da narrativa que é este desaparece então a relação entre a autoridade poder proibição e permissão e o que está em jogo não é mais uma pela justiça mas a realização dessa obsessão esse desejo essa vontade convertidos em observações tá claro isso né em geral nós não notamos isso mas a nossa vida é marcada por essas objeções né a maioria das pessoas são na maior parte do tempo neuróticas o que significa se entregam obsessivamente aos próprios desejos ou as próprias fantasias mesmo que não se deem conta disso né um dos primeiros dias nos primeiros anos amaldiçoa em voz alta e diz considerada o acaso infeliz mais tarde quando envelhece apenas resmunga consigo mesmo né ao processo de se adequar o processo de se adequar ao inconformismo né a ponto de transformá-lo numa espécie de lamúria filamento de resmungo na sem grande alcance sem grande poder a capacidade do homem de submeter-se né de resignar-se torna-se infantil e uma vez que por estudar o porteiro anos a fio ficou conhecendo até as pulgas da sua gola de pele pede a estas que o ajudem a fazê-lo mudar de opinião finalmente ou seja enlouquece nesse processo qual o processo esse processo de obstinada e res e de outros senado e resignado desejo né perde a relação com a realidade com o mundo entre pede né humilhasse conforma-se até a ideia de pedir as pulgas do casaco que intercedam por ele finalmente sua vista enfraquece ele não sabe se de fato está ficando mais escuro em torno ou se apenas os olhos o enganam não obstante reconhece agora no escuro um brilho que rompem inextinguível da porta da lei mas já não tem mais muito tempo de vida ou seja já no fim da vida vislumbra o brilho da lei que surge por entre as portas desse templo onde a lei se encontra né mas já não tem mais muito tempo de vida antes de morrer todas as experiências daquele tempo qual o tempo ele que ele passou sentado ao longo da lei né impedido se convergem na sua cabeça para uma pergunta que até então não havia feito ao porteiro faz de um aceno para que se aproxime pois não pode mais indireitar o corpo enrijecido o porteiro precisa por vai se profundamente até ele já que a diferença de altura mudou muito em detrimento do homem né ou seja o porteiro permanece igual mas o homem não envia envelheceu se a queijo ficou alquebrado e rijo né mas o porteiro continua o mesmo e uma imagem magnífica né da ideia da autoridade da justiça como algo é sobre humano além do humano né e consequentemente o que não envelhece não se desgasta não acaba né autoridade como uma espécie de realidade né inter o nível da justiça contra o homem e as suas nossas fraquezas né e o que é que você ainda quer saber pergunta o porteiro você é insaciável e aí o camponês vai ter um outro desses momentos que estão ligados ao mesmo tempo a sua sabedoria de homem simples e humilde observador né e a sua ingenuidade ok todos aspiram a lei diz o homem e veja isso é uma vez só uma verdade todos aspiram a lei todos querem ale todos desejam estar sob a lei mas uma ideia de lei o quê o imparcial e justa não que de alguma forma nos beneficie e atenda os nossos interesses todos piram a lei diz o homem como se explica que em tantos anos ninguém além de mim pediu para entrar o porteiro percebe que o homem já está no fim e para ainda alcançar sua audição em declínio ele terra né o berro altissonante da lei né que ninguém mais podia ser admitido pois esta entrada estava destinada só você agora eu vou embora e fecho a e na última frase a resposta do porteiro ao camponês o casca nos mergulha diante do diante desse mundo de realidade e absurdo que as suas narrativas articulam por quê e onde está a dimensão absurda dessa resposta e aí é porque segundo o porteiro a lei estava lá e exclusivamente para o camponês né ok ninguém mais além dele podia ser diz podia ser admitido né aquela entrada estava destinada só ele onde está a dimensão de absurdo disso mesmo homem que o proíbe a entrada de com foi é sim o mesmo homem que lhe proibir a entrada durante anos e anos ao ponto de se camponês né desgastar a sua vida perder a sua vida diante dessa dessa expectativa dentro desse desejo diante dessa obsessão pela lei o mesmo homem que lhe proibir a entrada durante anos é o homem que lhe disse que aquela entrada estava reservada exclusivamente a ele né e que como ele não entrou e está morrendo agora ele fecha a porta da entrada da lei né um sentido óbvio aqui é que o fato dele está morrendo torna para ele a lei inútil é obviamente o que ele pode fazer com a lei o que ele pode fazer com a lei agora que está morrendo e em que sentido a lei pode ser útil interessante ou justa se ele não vai estar mais vivo para se beneficiar dela esse é o sentido mais óculos mas direto mas elementar né agora não resolve o paradoxo que o cássio tem instaura é o mesmo sujeito que proíbe é o que é o que confere à é o que lhe franqueia a ideia de que a lei estava ali exclusivamente para ele que aquela entrada me pertencia como nós resolvemos esse paradoxos é sim não é essa é essa é uma hipótese interpretativa para esse paradoxo né e é um caminho interessante para nós pensarmos nele né ali o que é o que o camponês faz desde o início humildemente se submete a autoridade e ao se submeter humildemente autoridade né ele consequentemente prescinde ou abre mão de certa maneira de um direito no qual ele acreditava ser de todos e e ele estava certo né ou seja desde o início camponês resigna-se diante da autoridade que interdita a entrada na lei desde o início ele aceita autoridade desse porteiro milho mais longe ele aceita e ele aceita a ideia de que se o camponês atravessasse aquela porta sem autorização do porteiro ele se depararia com outros porteiros né guarde guardando outras alas né meia dentro certo de modo que o terceiro seria uma espécie né de visão perturbadora ou assustador até para a autoridade do primeiro porteiro né ele acredita no porteiro assim como ele se conforma esse resina com a autoridade do porteiro né o que está em jogo aqui ao mesmo tempo é a ao mesmo tempo a ignorância e ao mesmo tempo a ignorância e o conformismo na os personagens do alma alguma coisa sempre espantosos a coisa mais espantosa nos personagens do casca na minha opinião não é o que lhe sucede o que sucede com elas nas narrativas vejam mais espantoso no gregor samsa a metamorfose não é ele se transformar num inseto o que é mais incômodo no kafta é como essas personagens se resignaram rapidamente a essas circunstâncias absurdas e intoleráveis e se vocês quiserem façamos um paralelo com a colônia penal o ensino prisioneiro e o prisioneiro eo camponês parecem feitos de si mesmo tipo de substância humana ou não é tão lembrados do prisioneiro na colônia penal a narrativa é inaugurada inclusive o comandante da colônia penal está ali por e fazendo os preparativos no aparelho como ele chama a máquina que vai unir com a morte bordando no corpo do prisioneiro a sentença que lhe foi imputada né não é isso o prisioneiro está ali acorrentado e ele não está só com formado as correntes e a pena ele não está só resignado ele está tão ou mais curioso talvez mais curioso do que o estrangeiro o explorador viajante que está ouvindo as explicações do comandante o tanto que é o único momento em que o prisioneiros bossa alguma alguma reação mais controversa o único momento em que os prisioneiros bossa né alguma insatisfação é quando o soldado que me seguras correntes o puxa de volta que ele estava debruçado sobre a máquina e esse é um outro aspecto interessante das personagens do casca fascinado pelo mesmo instrumento pelo menos instrumento ele vai tirar ele a vida em breve né nós não sabemos ainda no início que ele vai acabar não sendo executado por que diante da fúria enlouquecida do comandante ele mesmo se submete a máquina né então nós não sabemos ainda que ele não vai que o funcionário não será executado mais e o prisioneiro o prisioneiro já no primeiro na primeira página no ponto vejam como ele descreve o casca descreve o prisioneiro aliás o condenado parecia de uma sujeição tão canina que a impressão que dava era de que se poderia deixá-lo vaguear livremente pelas encostas sendo preciso apenas se assobiasse no começo da execução para que ele viesse vejam é a mesma substância do camponês a assar o camponês numa sugestão canin numa sujeição canina e paciente diante da sua vez de entrar na lei sem saber que aquela entrada estava reservada a ele desde o início bastava que ele tivesse usado entrar e o prisioneiro caninamente sujeito a pena que lhe foi imposta e aguardando ali com essa sujeição feminina que faz parecer que bastava deixar o livro ali pelas redondezas e assobiar no momento da execução para que ele volte os personagens do casca em geral eles partilham essa mesma eles partilham dessa mesma substância é humana a sujeição a capacidade de conformar em si as circunstâncias mais absurdas que se abatem sobre ele eu e o wesley josé ficar no processo num determinado momento do romance ele desiste de tentar compreender qual é acusação que pesa sobre ele e passa a tentar o que defender dessas acusações pelos meios legais que o tribunal vai me impondo ao longo do romance e ele desiste de saber do que está sendo acusado ele desiste de saber o que ele supostamente fez ele decide conhecer o processo e aceita pacificamente quase né a a dinâmica burocrática de ir aos agir as audiências de acompanhar o processo de se submeter as investigações o verbo descansa acorda transformado num inseto no inseto monstruoso uma página e meia depois ele está completa e absolutamente conformado a sua situação a ponto decide a conta sua grande preocupação da sua preocupação fundamental se convertir não e não na sua própria condição de inseto agora não no que aconteceu com ele não na tentativa de reverter isso a sua grande preocupação vai ser da segunda página do romance em diante como ele pode ir para o trabalho nessas condições ou seja o fato de que ele está incapacitado para o trabalho de certa maneira as personagens do casca partilham né partilham dessa mesma substância dessa dessa mesma condição o confu a capacidade com formasse o a resignação a sujeição canina como ele descreve o prisioneiro aqui né veja o prisioneiro é um caso maravilhoso ele foi acusado do que antes de dormir durante a vigia e tinha sido designado para ficar de vigia na porta do comandante dorme do diretor da prisão e dorme né e o comandante lhe imputa como pena com sansão a pena de morte é virgem não pareço perturbador a discrepância entre a violação ea punição é sim ele só é condenado ele vê se essa música do que ele condenado o rir o comandante explica para explorar sabe qual foi o crime porque porque ele só descobrirá qual foi o primo dele quando a sentença começar a desenhar se no seu corpo o problema é que quando o aparelho começar a desenhar sentença no corpo dele né esse conhecimento passa a ser inútil porque porque o aparelho vai matá-lo e assim como entrar na lei assim como descobrir que a porta da lei estava destinada ao camponês desde o início é inútil no momento no momento em que ele descobre essa informação porque que ele está morrendo é bem lembrado otávio ele sequer o prisioneiro sequer informado do do crime que ele cometeu né e não tem a desproporção do crime eu não tinha desproporção do porteiro diante da lei porque o porteiro dentro da lei também sentem se une o camponês e é uma vida inteira sacrificada pela espera o vídeo isso é magnífico de diferentes formas possíveis é porque o que essas narrativas traduzem em termos de sentidos humanos por mais transparente não sem sentido é absurdo e pensem por exemplo que a maior parte da nossa vida é vivida em função de um conjunto de expectativas ou de esferas que nós mesmos criamos e as quais nos condenamos em jejum casca extrapolou a literatura do carro que extrapola os limites da simples interpretação ou seja o cartão está falando exclusivamente de uma justiça burocrática de uma justiça autoritária de uma justiça poderosa que esmaga os homens ele está também dizendo que nós os prendemos como homens como seres humanos as nossas ideias mais ofensivas aos nossos desejos aos nossos desejos mais obsessivos as nossas expectativas menos razoáveis bom e nós estamos dispostos a sacrificar a nossa vida em nome dessas expectativas em nome desses desejos em nome dessas opções é o camponês né o sentido da justiça e da injustiça da justiça está colocado tanto na colônia penal quanto no diante da lei quanto no processo do casca né mãe é mais do que isso carro está sempre lidando com esses digamos assim passa à condição humana mais universal e a sujeição a resignação a capacidade de se submeter ir o desejo tornador sessão e a expectativa ea espera e idealizadas né muito pouco razoáveis que toma uma vida das pessoas é e aí é tudo para mim ver e aí e aí é exatamente só porque porque a ideia de fundo a ideia de fundo é que a despeito da despeito das circunstâncias por mais absurdas por mais sem sentido por mais estranhas que as circunstâncias sejam né para usar uma frase do dostoievski naquele romance maravilhoso dele o recordações da casa dos mortos por mais estranhas que circunstâncias mais absurdas que elas sejam né é por mais inaceitáveis ou injustas que elas nos pareçam né o homem um animal uma criatura como dostoiévski disse que se habitua a tudo na e para as narrativas do casca também são narrativas sobre a capacidade humana de habituar-se bom e como hábito se converte numa espécie de ferramenta humana e para resignação ea sujeição e como nós aplicamos a nossa tendência ao inconformismo com a rotina por exemplo como nas luz por como diante de uma injustiça nós nos esforçamos muito mais nós nos esforçamos muito mais para nos adequarmos à situação injusta do que para lutar ou resistir o combater essa injustiça é o homem diante da lei é o prisioneiro na colônia penal e considerando que a colônia penal uma narrativa maravilhosa que num determinado momento há uma inversão radical de papéis né e esse comandante autoritário julgador e punitivo se converte ele mesmo no sujeito a ser punido pela máquina oi e ele faz isso ao mesmo tempo como uma espécie de sacrifício ao revelar a decadência pela qual a direção da colônia penal pastor quando mudou-se o diretor na tão lembrados o diretor que vivia sem e o novo diretor que veio cercada pelas damas com os seus uniformes estão cheios de lenços né ou ou de recorte retalhos de tecidos né que foram dados pelas damas tá o comandante não aceita a ideia de que uma direção de que a direção da colônia penal como mundo né foi de uma de uma direção out área organizada e disciplinar a uma realidade degradado e decadente em dia a influência das mulheres é maior do que a da lei a da ordem e da disciplina que o e essas coisas também né no casca o novo sempre vem como diz o belquior e como diz meu amigo eduardo o meu que hora esqueceu de dizer que vem pior essa é a ideia na colônia penal né a antiga administração era ruim mas a nova é uma administração moralmente decadente hedonista individualista em que o diretor ar na figura a própria ideia da satisfação pessoal né a satisfação dos próprios instintos dos próprios interesses em detrimento é da vontade e da necessidade coletiva da colônia o antigo diretor voltava assim inteiro para as necessidades coletivas da colônia mas exercia o poder com mão de ferro e autoridade absoluta sobre o destino de todos da modo de operar do qual comandante partilha o comandante a última coisa que sobrou daquele mundo autoritário só que o mundo autoritária da antiga colônia penal não foi substituído por um mundo melhor mais aberto mais legítimo o mais democrático foi substituído por um mundo moralmente decadente egoísta individualista o hedonista preocupado com a satisfação dos próprios prazeres e das próprias luxúrias mundo simbolicamente representado pelo novo diretor vejam o casca não nos deixa escapatória né ele é um esfria ao contrário do que a crítica do que a crítica mais tradicional ao mais acadêmica tensa né o casca como uma espécie de escritor dramático escritor trágico do destino humano a muito morno carga né um morro negro mais a né um humor negro mas é um muro ok ah tá muito morno casca a muita ironia né vídeo não deixa de ser liro uma lente aí ó unicamente triste né e perversamente engraçado o que o camponês receba a revelação de que aquilo estava à disposição dele desde o início no momento em que impotência ele não pode fazer mais nada com relação a isso mas é onde está o sentido de humor do kafka eu aconselho descesse assim vídeo nós nos conformamos nos resignamos nos sujeitamos nos adaptamos e habituamos as circunstâncias nós não lutamos nem resistimos contra elas com base nos conformamos a elas então qual é a única saída que nós temos ri disso e o que somos nós que podemos resistir à autoridade arbitrária somos nós que podemos resistir a injustiça a injustiça do poder e aí justiça as injustiças do poder somos nós que podemos lutar contra a autoridade do comandante da colônia é mas nossos mais um azul campos mas nós voltamos a nos habituar esse é o gregor samsa como eu disse de novo na metamorfose na qual vai ser a preocupação dele da transformação em diante é como trabalhar nessas condições é o e as ativas do carro fica de certa maneira sempre nos colocam diante desse outro problema também não é só da nossa capacidade de resignação submissão conformismo e nem só da ideia de que como o próprio carta diz no seu diário a vida é um sonho nada uma obscura flutuação no espaço ou seja a ideia de que a vida não tenha sentido em si mesma ou ela seja intrinsecamente absurda o carro fica coloca uma outra dimensão importante que é da relação do homem com o mundo social e a relação do homem com o mundo social e imprimir no homem sempre a marca da alienação e a perda da consciência sobre si mesmo sobre o mundo e sobre as correntes que aprisionam o homem e na metamorfose do carga o que nós temos o homem alienado pela família e pelo trabalho é porque alienado pela família e pelo trabalho porque todo grande dilema do gregory santos será nessas condições não posso trabalhar não podemos trabalhar não produzo meu patrão não me paga minha família passa por necessidades já que ele é já que a família toda depende exclusivamente do trabalho dele assalariado como caixeiro-viajante e no diante da lei da colônia penal e no processo nós temos o homem o homem de certa maneira alienado alienado pela administração burocrática e da justiça e das instituições a elas ligadas o homem alienado pela burocracia judicial e jurídica e por quê porque o prisioneiro vai o prisioneiro está burocraticamente sentenciado a uma pena que ele desconhece e que vai ser impressa no próprio corpo dele quando ele estiver pronto já morrer sobre a máquina que também é um aparelho fica ópio isso de tortura né o prisioneiro que só vai descobrir a sua sentença quando essa descoberta ele for completamente inútil e ele não poderá usá-la para se defender o camponês alienado diante da lei o camponês alienado diante da lei certo pela força da autoridade do porteiro o homem que guarda a entrada da lei o camponês alienado pela força da própria justiça e no processo o ios é ficar alienado também da sua culpa e da sua acusação e esmagado nesse processo pelo peso pelo peso dos labirintos e mecanismos a partir dos quais funciona a burocracia judicial ah e tudo no kafta tem de 100 para que a caricatura mais assustadora a caricatura mais perturbadora justamente para mostrar o peso esmagador das alienação no castelo o homem alienado pelo trabalho e pela administração burocrática do trabalho é o personagem do castelo magnificamente se chama só cá ponto é o nome do personagem cá né é e ele é contratado por um agrimensor para desempenhar uma tarefa na propriedade do dono do castelo fica no áudio uma montanha e ele chega lá para desempenhar esse esse trabalho mas ele não sabe qual é o trabalho e nunca será informado de qual é esse trabalho porque os assistentes ligados ao ao dono do castelo nunca lhe permitem que ele chegue até a idade que o com trator e ele é o tempo todo desinformado enganado manipulado confrontado com pessoas que me impedem o conhecimento e da verdade daqui o pacote foi contratado né o cascas seu casco tá sempre colocando em jogo o essas forças poderosas que alienam o que aliena um homem do seu próprio destino eu vejo um carpa nunca queria personagens inconscientes porque o casca não é um idiota ao contrário da esquerda biscoiteira o da esquerda sarau de poesia que explica tudo com alienação o casca não acredita nessa idéia toda da esquerda que sua mãe não é toda da esquerda não vejam fácil fazer uma crítica da esquerda né não significa que eu abandone as minhas posições à esquerda continuas um homem de esquerda como sempre fui na significa só que eu não sou retardado né é o que é o que eu juro sempre muito importante seja de direita seja de esquerda seja um palhaço né eu não sei nem um retardado ou seja um conservador ser um liberal mas não seja idiota né ou seja procura entender onde estão os problemas ideológicos os problemas críticos os problemas políticos que as suas tendências de pensamento enunciam porque elas anunciam hum o padre eu sou decidiu ser um marxista não significa que eu tenho um oratório com uma foto do e umas velas e que eu reze para ele eu até tenho que eu tenho é isso na minha casa e reze para ele e etc veja como marxismo para mim é um conjunto de teorias e hipóteses formulações formas de interpretação da realidade e com qualquer teoria ela tem falhas problemas crescer melhorada destruída refletida criticamente tal agora a tendência geral das pessoas hoje é o que né usar determinados conceitos como um guarda-chuva para explicar a realidade toda oi ou então simplesmente se encastelar nas suas posições e achar que as posições contrárias às teorias que você abraça são necessariamente ruins ou inimigas pô não tem uma forma de ser mais burro e de avançar - em direção ao conhecimento do que essa na uma das leituras fundamentais da minha vida são de críticos liberais como lá eu não criei nos estados unidos hum de críticos conservadores como o roger quimbol por exemplo que eu julgo um excelente crítico não concordo com nenhuma das formas pelas quais ele explica a sociedade mas concorda mas acredito que mas ele é um excelente crítico um excelente analista da arte contemporânea sobretudo e quando deus conservadores com os quais ele se identifica como elliot sl é um grande leitor né o seu cookie é um conservador escreveu uma biografia norm sobre o psl eu não concordo com a análise coisa com parte das análises que o que faz da sociedade né não concordo com certas ideias com certo liberalismo econômico 17 conservantismo cultural mas a biografia dele sobre o elliot é maravilhosa vou fazer o quê vou pôr fogo que eu sou marxista vou dizer que aquilo é ruim porque eu sou um sujeito esquerda tal por não sou retardado o pressuposto fundamental do pensamento é que a gente seja capaz de confrontar posições distintas argumentos distintos ideias distintas e o stuart mill a um grande liberal em inglês eu admiro tudo que ele escreve mas não concordo com ele não não acredita nessa da visão dele de sociedade a ideia de que a sociedade a sociedade pode melhorar gradualmente né a partir da partir da simples negociação de interesses entre forças contrárias à sociedade é muito mais complexa e entra em choque né e entra em choque grandes choques de uma forma muito mais dramática do que o stuart mill pressupõe mas o stuart mill escreveu aquele ensaio sul da liberdade que é magnífico por exemplo ele diz vai e diz algo lá que eu não concordo nem um pouco no século 19 isso né e diz o que olha acho melhor a gente deixar esse bando de pobre e voltar e não é isso que ele diz eu tô adaptando mas é o espírito do argumento dele numa das partes do ensaio acho bom a gente deixar esse bando de cobre e voltar e o estreito me olharam para não monarquista conservador tá certo e apesar de ser o pai do liberalismo mas ele acreditava numa certa ideia de conservação de que o parlamento era de que o parlamento era melhor expressão política para monarquia inglesa e etc mas era aquele momento em que se discutia se o voto abrangeria também as camadas mais pobres da sociedade disse olha eu acho melhor a gente deixar essas pessoas votarem por quê porque imagina só a insatisfação dessas pessoas com o governo progressivamente aumentando e elas além de tudo não se sentindo ouvidas e pelo governo onde vocês acham que isso vai terminar é o cara mesmo contrário à ideia ter fim de a ideia de que os pobres votem por quê porque para ele é uma forma de negociar interesse é conseguisse assim ou cobrado essas pessoas se a gente só recolher impostos se a gente não der nada para ela se a gente não incluí-las na cidadania de estado diz conferindo o a possibilidade de escolher é pelo voto uma hora o outro essas pessoas vão fazer o quê vou meter o pé na nossa porta vamos passar a foice na nossa garganta e foda moço é virgem e aí e eu não concordo com a ideia de fundo mas eu compreendo o stuart mill e ele tem razão oi como é que você pode fazer avançar um modelo de sociedade mais conservadora você tem que aprender negociar com interesses mais gerais também se você tem que entender que as pessoas têm demandas a essas demandas são razoáveis e que é preciso ouvi-las o modelo do parlamentar em do parlamentarismo inglês é maravilhoso porque porque os partidos de oposição sentam-se de frente um para o outro na câmara e eles efetivamente debatem as ideias e os projetos uns com os outros no meio porta-vozes que discurso e falam por eles mas veja é um modelo de negociação permanente né então assim ainda que eu continuo sendo um sujeito de esquerda mas veja o com a maneira como a esquerda hoje mobiliza a ideia de alienação faz pressupor que o conceito marxista de alienação implica a falta de consciência do homem e a porque sei lá as pessoas mais pobres das regiões periféricas mais violentas do brasil votarão no candidato num candidato que defende uma segurança pública ainda mais militarizada ainda mais dura e que consequentemente vai cobrar o preço dessas mesmas pessoas que vivem nessas regiões marginalizadas e violentas como a esquerda biscoiteira responde isso são alienados tadinhos eles não sabem o tipo de escolha que estão fazendo eles um ter educação formal não tem gente isso é uma forma de usar o conceito de alienação equivocadamente e para e para de certa maneira perdoar a irresponsabilidade a partir da qual as pessoas votam e escolhem a democracia responsabilidade e o que significa e o que é pior tira das pessoas a ideia de vontade ou seja elas não escolheram por vontade própria e elas não tem nenhuma capacidade de decisão se votaram mal é porque são alienadas e a esquerda usa contra essas pessoas o mesmo argumento que é direito a usa para falar que a esquerda recebe pão com mortadela no pt para ir protestar na rua o vídeo conceito marxista de alienação que é o mobilizado pela esquerda é alienação do homem pelo trabalho e em nenhum momento do capital das 2500 páginas do capital marx diz assim o trabalhador é um idiota que sai do seu trabalho e vai para casa e anda pelas ruas como um idiota come como um idiota em chácara e bate na mulher como um idiota sem nenhuma capacidade de volição ou de vontade não tem uma linha do max em que ele diz isso o max disse alienação do trabalhador se dá pela via do trabalho em que sentido e ele produz e não tem acesso aos mesmos bens que ele produz ele produz e o valor do salário é sempre altamente desproporcional em relação ao lucro que o patrão obtém uma produção e ele produz e não conhece e não sabe como a cadeia de produção como um todo funciona o trabalhador produz e não sabe como que o valor de uso e o valor de troca se alienam quando a gente coloca valor da mercadoria o e diz que o marcos tá dizendo mas a esquerda eu uso aí a esquerda usa a ideia de alienação para justificar para dizer que as pessoas são estúpidas não posso concordar com isso jamais oi e o casca também não um conceito de alienação nesse sentido os personagens do casca no são estúpidos ou inconscientes das coisas e é mas eles são alienados naquilo que há de mais fundamental ou seja justamente aquilo que eles deveriam saber é aquilo que eles aliena o berg santos em relação ao trabalho o ios é ficar em relação ao processo que ele sofre um e eles os personagens do casca não são alienados do mundo da vida não são inconscientes das coisas de si mesmos eles são alienados naquele aspecto central das circunstâncias em que eles mais deveriam se esforçar por conhecer e ele se conforma e se resignam mas assunção stupp se eles não são alienados nesse sentido pelo contrário eles agem ao longo de todas as narrativas do casca eles fazem coisas eles fazem escolhas tomam decisões é mais aquele era o elemento central que eles importa na vida diz continua completamente vedado eles estão alheios alienados do elemento mais significativo e mais fundamental o que deveria interessar o ios é ficar não é do que ele está sendo acusado e ele devia ele de ver ele devia confrontar ele devia confrontar o absurdo do processo mas é justamente aí que ele se aliena e é justamente o absurdo do processo que ele não confronta ele se debate o tempo todo com a possibilidade de ter feito algo que ele desconhece mas se submete aos ritos e injustos do processo do paulo é vítima o wilson vai ficar não é alienado de todos os aspectos da sua vida ele trabalha pensa conversa com pessoas ama é mas o elemento nuclear da sua existência que é o processo ele se deixa alienar pelas circunstâncias ao seu redor ele se deixa alienar pelo peso da justiça ele se deixa alienar pelo emaranhado burocrático o que o sistema jurídico no qual sistema jurídico e prende tá claro isso veja os personagens do kafka são sempre alienados mas essa alienação é sempre uma alienação muito precisa como eu disse o gregor samsa pela família e pelo trabalho e a ponto de sacrificar vida e ao ponto de sacrificar a vida pela família e pelo trabalho o camponês pela justiça um comandante pela autoridade e pela autoridade administrativa da colônia penal e o k o k na no castelo não é alienado pela alienado pela estrutura eu quero estrutura toda né altamente hierarquizada que lhe impede até o fim de ter acesso aos seus contratantes ou se a gente saber qual é a sua função ali certo isso para não mencionar uma série de narrativas menores do casca por exemplo um ponto maravilhoso do casca né quanto mais duro car é o preocupações de um pai de família terno 1 esse é o preocupações de um pai de família e aí e também traduzido como a tribulação de um para família e também traduzido como a tribulação de um pai de família e aí e vejam a tribulação de um pai de família em alguns que a palavra odradek provém do eslavo e procuram determinar a formação da palavra com base nesta afirmação já outros acreditam que ela provenha do alemão do eslavo teria apenas a influência a incerteza das duas interpretações autores entretanto a supor que nenhuma delas acerta o movimento porque nenhuma nos leva a encontrar um sentido para a palavra também já começa mergulhando o leitor diante de uma palavra odradek que não existe e dizem que a duas correntes que disputam a explicação da palavra uma que diz que ela tem origem eslava outra alemã com influências lavar mas ele também disse que isso é inútil porque nenhuma delas e não se deve encontrar um sentido para a palavra esse há duas explicações possíveis por mesmo fenômeno é possível que nenhuma delas esteja certa se se a palavra não tem um sentido é possível que nem a corrente que reivindica a origem alemã nem é que reivindica o errinhos lá ver se tem estejam certas como é natural ninguém se ocuparia de tais estudos se não existisse realmente um ser chamado odradek é a primeira vista vejo agora uma a descrição a primeira vista parece um carretel de linha achatado e estrela e forme parece um carretel de linha achatado com a forma de uma estrela e aparenta de fato estar enrolado em fios é bem verdade que os filhos não serão mais do que se atos restos emendados ou simplesmente embaraçados de fio gasto da mais diversa cor espécie mas não se trata apenas de um carretel pois no centro da estrela nasce uma vareta transversal de cuja extremidade sai mais outra em ângulo reto com auxílio desta segunda vareta por um lado e de uma das pontas da estrela por outro o todos se põem de pé como sobre duas pernas vejam o que eu falei sobre o realismo descritivo do carro é o problema que ele descreve um objeto que a gente não existe que não é um pó gente não com do corre não consegue formar uma imagem mental clara apesar da perfeição e do rigor realista da descrição não seria o caso de se acreditar que este objeto outrora tenha tido alguma finalidade que agora esteja apenas quebrado mas ao que parece não é o que se dá ao menos não assinar o disso não se ver marcar alguma de inserção ou de ruptura que indicasse uma coisa destas embora sem sentido o todo parece completo a sua maneira aliás não há como dizer a respeito pois odradek é extraordinariamente imóvel e impossível de ser pego e ele vive alternadamente no sótão no vão da escada nos nos corredores no vestíbulo no fundo ele parece uma dessas coisas qualquer que a gente deixa pela casa né e às vezes desaparece por semanas inteiras provavelmente se muda para outras casas mas é certo que acaba voltando a nossa cruzando a soleira se ele está encostado ao corrimão lá embaixo às vezes dá vontade de lhe falar não se fazem naturalmente perguntas difíceis ele é tratado já o seu tamaninho nos induz como uma criança pergunta-se qual é o teu nome te respondi a gente tá em pleno absurdo o cassiano não é uma coisa rigorosamente descrita com vontade própria móvel que vem vai e mais do que isso fala como uma criança e onde você mora ele responde residência indeterminada e ri mas é uma risada como só tem pulmões se produz e aqueles detalhes narrativa eu tô maravilhosos como uma risada sem pulmão né sou a quem sabe como o cochicho de folhas caídas de hábito este é o fim da conversa mesmo estas respostas aliás não é sempre que se obtém com frequência ele fica mudo por longo tempo como a madeira que aparenta ser inutilmente eu me pergunto dele o que será é possível que ele morra tudo que morre terativa anteriormente uma espécie de finalidade uma espécie de atividade na qual se desgastou não é o que se passa com odradek isso é magnífico né tudo que morre interativa anteriormente uma espécie de finalidade uma espécie de atividade na qual se castor bom e nós nos gastamos enquanto vivemos na não é o que se passa com odradek ele não tem nenhuma finalidade nenhuma utilidade será então que no futuro quem sabe se diante dos pés de meus filhos e filhos de meus filhos ele ainda rolar a pelas escadas arrastando os seus fiapos evidentemente ele não faz mal a ninguém mas a ideia de que além de tudo me sobreviva para mim é quase dolorosa é isso esse é o ponto mas a ideia essas são as atribuídas as preocupações do pai de família ironicamente não são com fiel deixa de ser odradek é com será dessa coisa tem história tá sem memória sem utilidade sem finalidade que ao com coisas próprio homem não parece destinada a morrer e o que preocupa o pai de família é o destino dessa coisa que ninguém sabe o que é ele não sabe o que é o leitor não sabe o que é mais pela sua própria simplicidade pelo seu próprio enigma pela sua própria condição pelo seu aspecto totalmente infantil infantilizado faz com que ele se preocupe né que esse objeto ele sobreviva né virgem o que é um outro até quem sabe e essas são as narrativas curtas do casca e quem é odradek quem sabe e a narrativa em que ele conta a história de duas aldeias se pode inclusive uma das outras à noite a distância mas se você perguntar ainda a cavalo de uma para outra você nunca consegue chegar o relatório para uma academia que é um ponto longo magnífico do carro tem que uma caca dá uma palestra para acadêmicos eu acho que nesse caso dispensa-se a ironia né dispensa se explicar onde está o humor onde está a graça o relatório para uma academia divertidíssimo só de pensar um macaco que fala dando uma palestra aos acadêmicos explicando como ele chegou até ali e nós vamos percebendo que ela fala do macaco que ele é mais razoável que os acadêmicos veja só estão no segundo ano da universidade seja conheceram acadêmico suficientes para saber que às vezes um golfinho tem mais bom senso que um acadêmico ou não oi gente estiveram se tiver não ser mais de aula comigo não me compare com um macaco e tirem suas próprias conclusões um macaco falante dando uma palestra e tire suas próprias conclusões né vejam esse é o mundo do casca de personagens estranhos em circunstâncias estranhas não é às vezes esmagadas pelo peso da alienação em conflito consigo consigo mesmos e com o mundo na mais mais do que isso sobretudo personagens sempre às voltas com a culpa é uma responsabilidade com medo e o benjamin tem uma frase ótima sobre o casca no ensaio dele franz kafka propósito do 10º aniversário da sua morte o bem ele disse que o carro é como aquele moço que saiu de casa para aprender a ter medo e isso me parece uma interpretação maravilhosa de literatura do carro porque tudo que os personagens do casca vivem né ainda que isso não aparece em primeiro plano nas narrativas mas tudo que os personagens do cartão nos colocam como dores é diante do medo das coisas medo do que dentro do medo das circunstâncias do medo da espera do medo da injustiça do medo da autoridade e do medo do fracasso mas mais do que isso do medo de que talvez a vida seja absurda e incompreensível mesmo como cascades é o que nos faz racionalizar vida o tempo todo porque os personagens do casca tem vão fazendo seus romances o tempo todo o que significa racionalizar a vida nós estamos permanentemente tentando tentando reinventar novas justificativas racionais porque fazemos para quem somos e nós estamos sempre o tempo tudo reinventando novos desejos e novas expectativas novas objeções com as quais lhe dar para que a gente não se confronte com a possibilidade de fundo e que nada do que a gente faça vai dar um sentido a vida que intrínsecamente e por si só não tem sentido isso é ruim e não é isso que nos móveis como seres humanos e imaginem uma vida imaginem uma vida cujo sentido fosse intrínseco à ela bom e que vocês já conhecessem esse sentido de ante-mão a priori se fosse já ao nascer alguém nos depositaria o sentido da nossa vida da nossa missão e do nosso destino no mundo imagina em uma vida assim e imagine uma vida conhecida e dada do início ao fim desde o princípio e imagine uma vida então sem a possibilidade de dar contingência ou seja duplicador ocasional do acidental dos acontecimentos fortuitos imagine uma vida significada nesses termos eu sei desde o início quem eu sou o que devo fazer qual o meu destino para onde devo ir quem acabarei no fim amando de verdade com quem viverei como vou morrer imagina em uma vida completamente significada nesses termos e é nesse sentido que a vida é intrinsecamente sem sentido mas o fato da vida científicamente sem sentido não deveria nos assustar deveria se usar apresentar como uma dessas possibilidades maravilhosas e fantásticas da vida se a vida não tem um sentido dado a priori e eu posso fazer o quê com ela e eu posso inventar esse sentidos construídos eu posso mudá-la modificar ela eu posso escolher vivê-la mais ou menos à deriva sem fazer grandes escolhas sem tomar grandes decisões eu posso arriscar a fazer grandes escolhas a tomar grandes decisões a tentar agir no mundo e etc né eu posso eu posso me apaixonar por quem eu quiser amar quem eu quiser e eu posso deixar de amar quem eu quiser eu posso escolher eu posso escolher a companhia do outro ou a solidão ea minha própria companhia e eu posso mudar a trajetória da minha vida se eu julgar aqui não estou satisfeito e como sentidos que dei a ela até um determinado momento na de certa maneira os personagens do casca realizam ao a grande obsessão do casca adotada no seu diário os personagens do casca parecem encarnar mesmo a ideia cassiana de que a vida é um nada um sonho obscura flutuação no espaço mas esses personagens são base riscos também porque apesar das circunstâncias dos conflitos do absurdo do stress da estranhesa das condições e da vida elas não desistem um momento algum de viver o ios é ficar no processo é morto num b por dois homens um deles em terra uma faca no coração e torce a faca lá dentro e no instante em que ele está para morrer a única coisa que me ocorre é que apesar de tudo acaba morto como um cão é o que me incomoda um digno morrer assim apesar de esmagado pelo processo ele se recusa a aceitar que a vida possa terminar estúpida inutilmente assim apesar de todas as circunstâncias as personagens do casca vivem e gostam de viver ainda que elas nos mostram em que tudo o que diz respeito à vida é incerto é inseguro e aparente é nada é o que nós de fato imaginamos certo da claro isso alguém tem alguma dúvida bom então com essas bonitas palavras encerra esse semestre de teoria da narrativa com vocês né gostaria antes só antes da gente terminar e irmos cuidar da nossa do nosso nada do nosso sonho delas obscura flutuação do espaço que a vida gostaria de dizer que foi um prazer conhecê-los e que me divertir muito com as aulas certo e divertir muito com as aulas eu eu nunca no fundo eu nunca tô interessado se vocês estão aprendendo ou não tô interessado se eu tô me divertindo ou não mas é porque a única coisa que importa na educação não é o que a gente ensina a gás é uma grande bobagem preço porque a gente tenha algo a ensinar as pessoas né é o que eu fiz duração semestre aqui foi apresentar para vocês formas de ler e interpretar as narrativas conceitos e terminologias que nós usamos nesse processo formas de tentar lidar e compreender o texto literário mais um excelente teoria da narrativa não não não acho que a gente seja capaz de ensinar grandes coisas que não sejam no fim das contas conceitos e terminologias métodos essas coisas são ensináveis mas não ensinei literatura nem teoria né ah não acredito nisso e eu acho sinceramente que é ensinar deve ser antes e acima de tudo uma experiência divertida não sei quantos de vocês pretendem ou e o querem ser professores né mas se vierem a ser de fato o único conselho que eu posso dar é quando não se divertirem mais fazendo isso ou se não se divertirem fazendo isso desista e na porque em geral é ensinar é um compromisso com aquele que aprende esse é o compromisso do professor não como os conteúdos não com as ideias não vai ser estupidez e doutrinação e tolices do tipo compromisso ético do professor é com aquele que aprende sempre hum e esse compromisso ético tem que passar de alguma forma pelo prazer e pela satisfação e tem que ser divertido de alguma maneira né acho que forem professores que não se divertirem fazendo isso na sim ou se não determinado momento percebendo que já não se divertem mais fazendo isso desistam porque a gente rompe o compromisso ético com quem aprendi é porque a gente não é mais capaz se colocar completamente à disposição de quem aprende né eu posso ser bastante maluco e muito pouco acadêmico na minha linguagem no meu comportamento na maneira como conduzo os meus cursos e etc mas eu tô sempre disponível eu estou sempre disponível aos alunos essa é a única coisa dentro da foto da universidade a qual eu ainda continuo fiel e disponível portanto sempre que vocês precisarem de agora em diante vocês sabem que podem procurar pode me procurar pode falar comigo estou sempre à disposição de vocês porque eu acredito que independentemente de um semestre dois anos tanto faz na de alguma maneira a possibilidade de conhecê-los né cria para mim um vínculo com vocês que eu julgo muito muito singular muito importante que ajuda dar sentido à minha vida é o que eu faço então eu fico sempre à disposição de vocês sinceramente porque vocês precisarem né tipo nada que não há nada que seja ilegal pelo amor de deus né porque tipo 40 anos não tô disposto a acabar na cadeia tal né para ajudar vocês assim não eu acho complicado isso apesar da minha vida solitária minha vida solitária me dá alguns benefícios que a privação da liberdade né não me dar a ok a lei é é então vejam fico à disposição de vocês e outra coisa que eu gostaria de outra coisa que eu gostaria de dizer para a gente terminar é o seguinte né eu imagino que alguns de vocês já faça um pesquisa né já já tem um e já trabalhem com os seus orientadores e etc já tem um as áreas de maior interesse e consequentemente né os que pesquisam na área da literatura da teoria literária ou da brasileira ou da linguística ou da linguística aplicada ou do das do estudo de línguas estrangeiras e etc porque eu queria dizer que eu acho muito saudável que vocês pesquisem mas muito saudável que vocês estudem as muito saudável que encontra em uma área com a qual se identifica em mais e que tentem né que crie um percurso que os leva se especializar nessa área né mas o conselho que eu gostaria de deixar para vocês é sejam mais do que especialistas e mantenham a curiosidade aberta em relação a outras coisas na por exemplo se vocês se interessam pela minguins que estudam isso procurem ler também a literatura e compreender como os escritores como a linguística está presente na literatura afinal de contas a literatura nada mais é do que a língua né esteticamente construída errei aqui te tata o re arquitetado o rio e de nada tentem compreender como os críticos literários lançam mão ou não da linguística na investigação da interpretação e da análise dos textos literários a mesma coisa vale para quem estuda literatura eu não consigo conceber não consigo conceber que alguém estude teoria da literatura e simplesmente descarte completamente o aprendizado linguístico as teorias linguísticas o interesse linguístico quer dizer por ali a linguística tá na base do que é do que nós estudamos na literatura literatura é vazado e expressa por meio da língua né mas assim não fiquem só nisso né sejam curiosos tipo compreendo que tanto a língua conta littera tantas línguas quanto à literatura né são produtos da cultura e da sociedade circulam se são produtos humanos que circulam pela cultura e pela sociedade que também são resultados das ações humanas bom então procure conhecer filosofia sociologia né ciências tem uma curiosidade de saber de conhecer de explicar recusem se a compreender as coisas a partir das teorias com as quais mais próximo a mente lida assim como recusem a compreender as coisas em função exclusivamente da opinião o que vocês tenham sobre as coisas por mais embasada em melhor a crítica científica mente seja sua opinião né das razões pelas quais nós chegamos ao estado geral que nós chegamos na sociedade brasileira contemporânea e o estado geral é de uma inócua e triste disputa ideológica e política que não vai nos levar a lugar nenhum né e que é uma disputa fundamentada em muita raiva muito ódio muita mentirem muita desinformação de ambas as partes uma das razões nós temos chegados neste chegar nesse estágio que nós chegamos isso não é uma exclusividade do brasil há uma série de estudos que mostram que nos últimos 30 anos um mundo ficou mais burro e o mundo ficou mais burro não por acaso um processo esse isso conhecido com os últimos 30 anos dá uns 30 com os últimos 30 anos da última grande revolução técnica humana o desconhecido com a disseminação em massa da internet oi e a maneira como ela permitiu que as pessoas acessarem cada vez mais informação sem que elas tivessem o tempo necessário para filtrar essas informações e filtrar as informações significa pensar sobre ela e confrontá-las procurar outras informações a procurar outras ideias procurar outras opiniões sobre as coisas essa comunicação instantânea essa disponibilidade a informação ea comunicação instantânea que a internet produziu nos últimos 30 anos industrializou as pessoas e por quê porque faz aquele que o idiota imaginar que porque um primo lá no interior da paraíba na mando uma reportagem com fotos e tudo mostrando a mamadeira de piroca que o governo está distribuindo para as crianças e isso é verdade e o mundo decide o tesouro nos últimos 30 anos porque as pessoas confundem a opinião com conhecimento com conhecimento e a opiniões fundadas no conhecimento a opiniões que são só preconceitos eu ia ter essas que a gente tem que se livrar sempre mas a gente só se livrar do preconceito com o conhecimento qualificado e crítico sobre as coisas uma das razões e nós estamos vivendo que nós estamos vivendo hoje é que as pessoas perderam de vista a o elemento mais fundamental e mais importante do conhecimento que a dúvida e como o conhecimento filosófico ou científico não importa humano avança pela dúvida não pela certeza o conhecimento avança mais pelo que nós ignoramos e queremos saber do que pelo que nós sabemos e aplicamos sobre o mundo eu conheci é o resultado de uma dúvida permanente sistema curiosidade nós chegamos onde nós chegamos hoje eu não sei se vocês votaram porque ninguém duvida mais de nada todo mundo tem certeza absoluta sobre as suas opiniões e todo mundo sobre suas ideias é mas a maioria das pessoas sequer para para pensar se essas opiniões essas ideias são delas mesmas ou seja se elas formularam por conta própria se elas chegaram essas opiniões a essas ideias por um esforço sistemático qualquer do pensamento elas imaginam sim elas nem fazem ideia que é o primo idiota lá do interior da paraíba que está divulgando notícias falsas que um conjunto de robôs arquivos na internet produzem e disseminam vejam tô bem sim o que vocês acham que seria o razoável seria razoável numa sociedade minimamente razoável minimamente empenhada na descrença em relação a qualquer opinião muito certo e muito segura vocês acham que seria razoável uma parte das pessoas acreditarem na mamadeira de piroca isso porque a mamadeira de tô usando a mamadeira de piroca porque ela ela foi a chave hermenêutica da realidade brasileira durante o curso todo foi a ela que eu voltei sistematicamente volta a ela na última aula vocês acham que numa sociedade em que as pessoas entendessem compreendessem que o princípio fundamental do conhecimento é a dúvida vocês acham que as pessoas acreditariam na mamadeira de piroca é a primeira vez que eu recebi uma notícia assim a primeira coisa que me ocorreu foi é claro que isso é mentira porque é claro que isso não é razoável porque não há governo no mundo nem se a pabllo vittar fosse a presidente do brasil não é governo no mundo tem que um conjunto de técnicos achariam razoáveis espetão uma piroquinha na ponta da mamadeira e colocar na boca das crianças na creche para elas mamarem né naquele pico de piroca o vídeo agora eu sei disso e agora o meu primo passa 18 horas por dia arrebitado dirigindo um caminhão não sabe e é 18 horas por dia arrebitado e tomando energético quem não sabe e é claro que ele não sabe e não quer saber é porque nas outras 56 horas que ele tem e toma remédio e dorme ele tá um remédio para dirigir ficar acordado e toma energético junto com o remédio para diminuir a ansiedade do arrepio que ele tomou para ficar acordada ele toma remédio para dormir depois entendeu eu vejo é em relação ao conhecimento mantenham-se curiosos e aprendam sobre coisas que num primeiro momento parecem muito distante daquilo que vocês estudam pelo qual se interessa ou pesquisa esses conhecimentos são fundamentais não porque a gente não seja enganado mas pedi para que a gente tem um conhecimento razoável da realidade do outro e para que a gente aprenda um pouco mais inclusive sobre nós mesmos né e por fim por mais interessante do conhecimento seja para alguns e por mais que a universi por mais que vocês queiram se dedicar a universidade ao curso a formação é o conhecimento eu espero que vocês vivam também bom e que compreendam que nenhum sacrifício da própria vida vale a formação e não adoeçam não se de primão ah tá por conta da universidade não vale a pena e estudem tem fazer o possível para cumprir com os compromissos acadêmicos se dediquem mas se dediquem no limite das suas possibilidades no limite do limite da força que tem no limite das circunstâncias e das condições e não sacrifiquem a vocês por isso que não vale a pena é só porque não vale a pena porque o que vocês podem aprender vocês tem a vida inteira para aprender se dediquem se o suficiente para passar nas provas sei lá para entregar os trabalhos e se acham que as coisas estão se acumulando demais não esse tem um sei lá estendeu o curso e um ano e pega e menos créditos se complica em menos o e procurem e procurem viver fora dos limites da universidade né bicos curtirem amigos amores interesses em transem e tem transar fundamental para não não vou dizer com uma vida interior iluminada ou feliz para porra dá uma desopilado a alma isso né curtirem a vida e lembrando sempre né para a gente fechar isso casquinha na mente a universia uma instituição então não deixem que é isso que a instituição esmaga em vocês é a vida de vocês o que vocês têm a viver é muito maior e muito mais importante do que a universidade tem a oferecer para vocês e eventualmente vocês podem terminar a universidade no tempo que vocês quiserem no tempo que vocês tiverem no tempo que vocês puderem né e para finalizar o desejo que vocês que vocês tenham como professores a oportunidade de terem alunos como vocês e se divertir com o nome divertido esse último semestre tá muito obrigado a todos pela gentileza pela atenção fico à disposição de vocês e espero que a gente tenha oportunidade de se encontrar mais vezes por aqui tá foi um prazer conhecê-los obrigado pessoal tenho um bom recesso um bom fim de semana vão em paz e que o senhor vos acompanhe ah eu espero que eu já corri sua prova você já sai daqui sabendo que você tirou tá ah tá todo mundo presente nas últimas aulas todas tá tchau tchau tchau luca manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço para o seu irmão manda um abraço

Loading