Curso Online Básico em Ultra Abdominal Turma 1 Aula 5

e aí e aí a chuva né olá olá olá pessoal então vamos continuar vamos continuar nosso curso básico de ultrassonografia abdominal online e hoje a gente vai falar sobre aparelho reprodutor feminino e aparelho reprodutor masculino tá vamos lá g1 tá bom então vamos começar falando sobre o útero e ovários né há um minuto e aí e aí e aí se alguém perdido aqui então então vamos começar falando sobre útero e ovários tá bom bom e assim ó é uma das primeiras coisas e muito importante que ultrassonografia esta é precisa saber é que o útero e ovários são estruturas difíceis de serem observadas no anestro isso devido à ecogenicidade semelhante aos tecidos ao redor então vamos lá vamos entender isso aqui tá bom vamos vamos lembrar que não anestro então a fêmea ela apresenta os hormônios sexuais e em concentrações basais então é como se os órgãos reprodutivos eles estivessem ali mas é como se eles estivessem repouso isso na fase de anestro tá então nessa fase então esses órgãos reprodutivos tanto útero quanto o vários eles então tem dimensões menores eles vão estar de volume menor e também esse é o que uma ecogenicidade muito semelhante à ecogenicidade dos tecidos ao redor então isso são dois motivos aí pelos quais a gente não consegue muitas vezes visualizar útero e ovários em fêmeas em anestro da isso é perfeitamente normal e isso é importante muito importante porque o clínico muitas vezes ele tem em mente que isso é uma coisa muito simples que você vai chegar lá e vai olhar vai ver o útero vai ver o ovário claramente então isso é difícil então uma um parênteses importante aqui trazendo essa questão para prática é então no caso de uma pessoa por exemplo pegar uma cadela na rua e te levar para fazer uma ultra e a pessoa quer saber se a cadela é castrada um não então caso você não encontre nada e é difícil afirmar se ela é castrada ou não o ideal é que você espere que essa cadela apresente sinais de cio comportamento de cio se for uma cadela sangramento a vulva edemaciada e se for uma gata tem mais a ver com comportamento de cio então caso esses animais apresentam um comportamento desse u aí sim seria mais fácil para você visualizar tá isso porque em outras fases do ciclo estral que no caso aqui ó em outras fases do ciclo estral que não o anestro ou seja proestro estro e de estro nessas outras fases a gente vai ter uma facilidade de visualização dessas estruturas de útero e ovário e isso acontece porque nessas fases onde a gente vai ter uma influência dos hormônios reprodutivos porque eles vão ter um aumento nas concentrações nessas paz e esses hormônios atuam diretamente sobre esses órgãos e levam basicamente a um aumento de volume e uma diminuição da ecogenicidade a gente vai vir aqui bom então só lembrando anatomia ultra-sonográfica do útero ele vai ser então uma estrutura tubular hipoecogênica e homogênea e lembrando que o útero de forma fisiológica não tem conteúdo líquido no interior tá e os ovários então em anestro eles vão se apresentar ecogenicos e mal definidos e nas fases onde a gente tem influência hormonal então a gente vai ter alterações aqui em útero e ovários que vão facilitar a visualização através da ultrassonografia tá eu estou aqui só para mostrar começar a mostrar para vocês olha aqui essa imagem é imagem de um corno uterino normal é aqui eu tenho uma imagem no transdutor micro convexo ou seja ele não é um transdutor é próprio para pequenas parte aqui se você tiver o linear seria interessante você analisar o útero também com o linear tá eu gosto de achar com o micro convexo e depois analisar com o linear também porque aí eu consigo então ver os detalhes né que que estão me eu tô costa aqui show não é ah êa aqui uma imagenzinha de ovário só para a gente ter uma ideia né aqui é um pedaço de linho mas não tá dando para ver bem e é que eu tô vendo então uma imagenzinha de ovário eu vejo que uma manchinha e pô ecogênica não é homogênea um pouco heterogêneo o ovário ele vai ter um milhão de aspectos plausíveis aí para essas fases hormonais tá bom então aqui eu mostrei claro ovários e úteros normais e eu vou continuar mostrando agora ovários e úteros bom mais e todos eles na verdade provavelmente tem fases de influência hormonal porque quando não tem essa fase é muito mais difícil realmente de você visualizar as vezes eu vejo um ovário só e aí não dá para você ter certeza né esse animal tem tudo e às vezes eu também não vejo nada e dependendo do objetivo do exame eu não vou focar demais a minha a minha energia nisso dependendo do motivo do exame claro se for para procurar um ovário remanescente ao mesmo uma análise desse sentido aí você tem que focar o teu exame nisso é mas mesmo assim ele é caso a cadela não apresente cio o que é muitas vezes não consegue visualizar se para o resto de ovário né que é ovário remanescente ou mesmo saber se a cadela é o ágata é ou não castrada é esses exames devem ser realizados em fases de influência hormonal onde você vai ter uma facilidade de visualização oi e aí olha lá a gente vai ver agora então quais são as alterações ultrassonográficas que a gente vai ter secundárias ao lestro aqui veja bem quando eu falo secundárias ao lestro eu tô querendo dizer que essas alterações ultrassonográficas elas vão ser secundárias a períodos de influência hormonal é que a gente acaba colocando tudo como oestro mas aqui se a gente fala em proestro é estou diestro essas três frases vão ter influências hormonais importantes de hormônios reprodutivos então a gente tem aí no proestro a fase e e no estro a influência do estrogênio e basicamente no diestro a influência da progesterona independente se a influência do estrogênio e influência da progesterona veja bem e as alterações no útero e ovários elas são muito semelhantes muito semelhante tá então é importante que você entenda que existe uma alteração secundária a períodos de influência hormonal ok caso você precise definir a fase do ciclo onde em que é esse a cadela ou gata se encontra pessoalmente a cadela né eu sugiro que você complemente a tua ultrassonografia com o exame de citologia vaginal que é o exame que vai te ajudar a definir a fase do ciclo em que a cadela se encontra bom então o que a gente vai ter de alteração contra sonográfica secundária o extra vamos lá eu tenho útero discretamente aumentado de volume e com diminuição generalizada da ecogenicidade tá claro então quê que eu vou ter o útero um pouco maior que o normal e isso vai ter relação com o maior aporte de sangue que vai ser enviado para esse órgão isso relacionado a presença tanto do estrogênio quanto da progesterona tá aí então você vai ter um maior aporte de sangue levando a um aumento de volume e também uma diminuição generalizada da ecogenicidade se tem um maior aporte de sangue para o órgão geralmente você tem uma diminuição generalizada da ecogenicidade e eu vou tentam nos ovários olha lá o vários com diminuição da ecogenicidade e presença de estrutura e císticas levando-a ao aspecto de um parênquima heterogêneo então isso é perfeitamente normal para o ovário olha só o que é importante aqui é primeiro eu não gosto muito de definir só pelo vai imagem do ovário a fase do ciclo em que a cadela se encontra a gente vai ter basicamente na fase de proestro e folículos que podem ser microfoliculos e podem ser maiores e a gente vai ter na fase de diestro basicamente corpo lúteo né que pode ser um pouco de um tamanho de um folículo grande então é muito difícil você definir só pelo ovário lembrando aqui que muitas vezes a cadela ela vai ovular de um oval é um ciclo e do outro ovário no outro ciclo então muitas vezes você não vai ter a mesma alteração nos dois ovários tá isso são detalhes assim que são importantes para gente para nos ajudar na nossa interpretação ah tá então essas alterações de útero e ovários favorecem a visualização do útero e dos ovários durante as fases próximas ao lestro mais uma vez lembrando que são as fases onde teremos então influências hormonais tá e olha lá aqui eu tenho um útero olha se o útero aqui que lindo olha e essa é a imagem de um corno uterino olha só a vendo essas faixas brancas aqui isso aqui é a parede abdominal pele e tecido subcutâneo desse animal aqui tá bom então olha lá pele e tecido subcutâneo e logo logo logo embaixo eu já tenho aqui o corno uterino então você vê como o colo uterino é superficial tá bem pertinho da parede abdominal e eu vou fazer um desenho aqui que eu gosto muito de fazer e aí e aí e aí e aí bom vamos lá olha aqui eu vou fazer um desenho aqui a bexiga oi e aí eu vou desenhar o útero em relação a bexiga olha vagina aí para k serve que se corpo do útero corno e aí e aqui eu tô fazendo vale como é que é perto da bexiga né ele chega sobrepor muitas vezes e aqui o que eu quero fazer é a parede abdominal é a minha não vai ficar tão linda né como aquela mas está ficando boa parede abdominal agora vou fazer um transdutor aqui alô olha e aqui e aqui ó e olha lá gente então olha só eu quero que vocês visualizem isso aqui olha como é que mais ou menos daqui para cá eu tenho região de vagina interna tá então se eu acho aqui é a região de cola o pescoço da bexiga onde está o início da uretra e eu lateralizing geralmente para o lado esquerdo eu encontro um pedaço do útero aqui tá eu sei que para trás é vagina para frente útero ok geralmente então essa parte do útero que é a parte de serve que se corpo o início de cor no essa parte ela fica muitas vezes então dorsal a bexiga não é para lá para cá não é dorsal tudo que tá aqui ó dorsal a bexiga certo então ele fica dorsal a bexiga ou lateral é variável então preciso que você faça uma varredura e até acabar bexiga você continua lateralizando tá e aí e quando você vai o colo uterino ele começa a subir aqui e ele vai então se colocar bem próximo à parede abdominal na região de abdômen médio que é onde a gente vai ter os cornos uterinos e lembrando mais uma vez e o corpo uterino então ele é uma estrutura bem lateralizada né porque ele vai então do meio da barriga que seria aqui onde é a bexiga e ele vai se dividir e vai lateralizando aqui até chegar no ovário vou fazer um ovário até chegar no ovário tá que está então olha e aí o ovário está caudal ao rim direito tá então é muito legal essa essa eu vou tirar até uma foto aqui que tá bonito e aí e aí e aí e aí é da e aí faltou uma coisa super top que eu vou desenhar aqui para vocês agora que é uma coisa que é muito como muito comum quando a gente está começando a gente sempre confunde com o útero que é isso aqui ó quem sabe o que que é isso aqui é isso aqui é aorta e veia cava caudal que são dois grandes vasos que eles vão aparecer dorsal a bexiga também então muitas vezes quando a gente tá lá procurando o útero procurando útero quem aparece aorta e veia cava caudal e aí você ai meu deus será e tal então aí várias dicas para você perceber que não é primeiro se você ficar parada olhando a imagem você vai ver que a horta ela pulsa é muito comum ela pulsar caso você não tem o dobro que se você tiver o douglas você pode jogar o doppler e já vai ver imediatamente que é um vaso sanguíneo com vascularização mas se você não tem o dom para você ficar parado ali em cima o que que acontece você vai ver que a horta pulsa e ainda observando calmamente você vai ver que são duas estruturas e não uma e o útero então seria apenas uma estrutura tubular e ainda mais uma dica no caso se você o leandro tá com transdutor em cima da ordem e acaba e você aperta e faz uma pressão em cima aqui ó você tá aqui a horta ea casa está com teu transdutor aqui aí você aperta quando você aperta ó que que vai acontecer vai ficar aparecendo só aqui a horta a veia cava ela colar baba colar aba quando você aperta porque a veia colar aba tá ela não tem densidade musculatura na parede para que ela possa não colabar então se você aperta ela colar aba isso aí são três dicas para você poder perceber que você está diante de aorta e veia acaba e não de útero tem mais uma dica importante que vem a ser isso aqui ó quando você achou aqui aí você veio seguindo a ordem e acaba achando que era o útero né só que aí o útero lembra que eu falei que chega aqui ele sobe e vai se tornar uma estrutura superficial ea horta vê acaba não elas vão acompanhar e a coluna do animal então você observa elas acompanhando então a coluna então são aí algumas dicas para a gente não confundir aorta e veia cava com o útero tá show então continuando vamos lá ver olha aqui essa imagem aqui de corno uterino o que eu tô vendo aqui gente é uma imagem de uma estrutura tubular hipoecogênica e homogênea sem evidências de conteúdo líquido no interior tá aqui tá mentindo zero85 sol mas esse o tempo tá grande então isso aí é uma interpretação relativa porque o útero é grande ou pequeno e o que que vai fazer diferença em relação a isso claro a fase do ciclo que ela se encontra ok tô falando olá pessoal mais se eu tiver um útero medindo até 1cm e se ele não tiver conteúdo líquido no interior eu posso considerar normal esse útero ela não existe ao útero tem que ter 05 já ouvi varias útero tem que ter 07 se não tá errado não existe isso ok o útero ele vai ser variável de acordo com o primeiro o tamanho da cadela segundo a quantidade de gestações anteriores que essa fêmea já teve ok claro não vai medir dois centímetros no monteiro normal nunca nunca ok nunca nunca mas até um centímetro a esse tá 1,1 vai tá tudo bem ok tá o normal é medir entre aí vai colocando tudo tipo todo tipo de bicho cadela gata aí pequenos e grandes de 05 até a aproximadamente 09 aí tá então não existe isso cuidado para gente interpretar o mais importante é que não tenha conteúdo líquido e olha esse ovário aqui esse ovário é lindo é lindo tá nem todo ovário de uma cadela que tá no cio ou próximo ao zil vai se apresentar dessa forma nem todo mas olha aqui eu tenho um ovário com algumas estruturas olha arredondadas com conteúdo líquido o que eu tô vendo aqui embaixo olha reforço acústico posterior ao meio líquido aqui tá o que indica para mim que tem o líquido nessas bolinhas aí então é só poderia ser se isto poderia mas olha uma cadela de 7 meses eu pensaria principalmente em folículos ou até corpo no útero dependendo da fase do ciclo em que ela estaria nesse momento tá bom então hiperplasia endometrial então vai ser a primeira alteração que a gente vai ter relacionada ao útero tá então o que que vai ganhar se a hiperplasia endometrial vai ser um aumento do diâmetro do útero discreto a moderado sem evidências de conteúdo líquido no interior então por exemplo se você tem o útero um pouco aumentado aí lembra a gente falou até um centímetro mais de 1 a 2 cm vai não vai passar disso o normal é uma hiperplasia endometrial chegar no máximo até 1,4 1,5 cm por que eu tô falando apenas do útero é com um espessamento na parede essa hiperplasia endometrial ela é uma hiperplasia do endométrio uterino tá então eu não tenho conteúdo líquido no interior a base e olha lá uma imagem de hiperplasia endometrial o que eu tenho aqui olha aqui tá um centímetro mas é o maior claire qual é a diferença principal entre esse o útero e um motor de um animal que tem influência hormonal na fase de influência hormonal olha principalmente esse útero ele não tem diminuição da ecogenicidade e ele tem uma ecotextura discretamente grosseira você observa que ele aqui é uma estrutura tubular tá e ele não tem uma textura lisa a ecotextura dele tá um pouco grosseira isso então me faz pensar que pode ser principalmente uma hiperplasia endometrial e não um cílio ou uma fase de influência hormonal ok é que eu tenho uma alça intestinal cortada transversalmente então ó o corte transversal de alça intestinal corte longitudinal de alça intestinal ela é um cubo é da mesma forma o útero aqui tá cortado o que longitudinalmente ele se apresenta aqui com uma estrutura tubular oi ok é mais uma hiperplasia endometrial aqui e essa é velha é sim e olha toda e qualquer alteração vai ser o hormônio mediada em relação a piometra em uma metra hidrometra hiperplasia endometrial hyperplasia endometrial cística a única alteração de útero praticamente que não vai ter influência hormonal vai ser então as alterações relacionadas às endometrites pós-parto ah tá o grande problema da cadela é que ela tem o diestro ou seja a cadela ela tem a o corpo lúteo no ovário durante dois meses ela gestando ou não gestando então essa influência hormonal da progesterona repetir das vezes faz com que ela tenha alterações de útero que normalmente aparecem uma idade média mas podem aparecer logo após o primeiro sim também nada impede só que a cadela nunca ou a gata nunca vai ter piometra sem ter tido o primeiro cio aqui na verdade é como se fosse uma fase inicial se essa hiperplasia persistir vai virar uma piometra tá é uma hiperplasia do endométrio que não é uma hiperplasia fisiológica para o cio que também é uma a hiperplasia só que a imagem é bem diferente você vê que a imagem é lisa bem mais lisa tá e a e uma coisa essa empresa endometrial é uma das coisas que a gente menos ver menos ver tá a piometra aí sim é também a piometra ela vai ser uma infecção uterina secundária alterações hormonais ocorre excessiva secreção pelo endométrio que se acumula no meio uterino esse é um do métrico também já está hiperplásico devido as influências hormonais a piometra pode ocorrer com a service fechada ou aberta e basicamente bom vamos lá já me perguntaram uma vez a sol dá para ver a segue fechada ou aberta não não dá para ver o que você vai ver é primeiro quando você tem geralmente uma piometra fechada quais são as características principais você não tem secreção vá primeiro segundo como você não tem secreção isso indica que esse útero não tá sofrendo nenhuma drenagem esse conteúdo do útero não tá bom então isso faz com que o útero fique muito maior com um acúmulo muito maior de conteúdo e na piometra aberta que você também não vê a serve que essa meta o fechada o que que você vê o animal tem secreção não vá você tem secreção vaxall cérebro que você só pode tá aberta né e geralmente nesses nessa de cadelas ou grátis que tem essa piometra aberta elas também tem o útero normalmente menores não é com tanto acúmulo de conteúdo mas as alterações não existir mesmo com a serve que se aberta mesmo com secreção porque já me perguntaram a será que eu tô vendo útero normal porque a secreção tá saindo não você vai ter alterações no útero caso ele tem alterações tá bom então a piometra ultrassonograficamente falando basicamente vai ser a presença de conteúdo anecogênico no interior do útero e aí a gente vai falar sobre a questão da celularidade tá claro ah mas tem que ser o lar idade tem tem celular idade só que essa celularidade ela pode ser mais ou menos visualizada pela ultrassonografia e o mais comum é que as pequenas que o metas elas não tem tanta celularidade e as grandes as maiores biométricas elas apresentam conteúdo com uma celularidade muito mais evidente e lembrando que a mucometrio e é mo metric também são alterações extremamente semelhantes a piometra elas não são diferenciadas da piometra através da ultrassonografia isto porque pelo exame de ultrassonografia a gente não consegue definir se tem líquido se tem muco se tem sangue tá porque ainda tem aqui a hidrométrica que não tá aqui estão falando um pouquinho sobre elas tá independente se você tem uma hemometro mamuko meta ou uma hidro métrica isso já é um fator predisponente fortíssimo para que se desenvolva uma piometra uma questão de tempo pouco tempo tá porque a piometra vai ser vai infectar se a infecção desse material aí que vai se dar muitas vezes claro o bactérias da própria vagina então é uma questão de pouco tempo a bactéria da vagina vai resolver passear no útero e ela tá com sangue tá oi tá com líquido vai contamina óbvio então o que a gente tem normalmente nas pior metres o que é mais comum é um conteúdo de misturado de pus com sangue que vem a ser aquele aquela secreção meio que amarronzada e são mais comum mas há mas é pos mas é isso mas é aquilo não vai fazer tanta diferença porque todos esses casos têm um único tratamento que é a castração a ovário-histerectomia é na verdade na verdade não existe muito bem o tratamento para piometra isso aí a gente pode discutir no outro momento tá eu acompanho alguns tratamentos enfim tem bastante experiência com relação a isso e acho que isso a gente pode depois até falar no outro momento tá então pela ultra-sonografia então a gente não consegue definir a natureza do líquido existente tá vou ver aqui se alguém perguntou alguma coisa e aí eu vou continuar enquanto tá chegando a mensagem te amo ah e a hidro mestra a hidrômetro é na verdade é qual a diferença né da hidrômetro a hidrométrica é muito comum ela tem assim uma parede bem fininha e um conteúdo líquido bem anecogénico mas ela não tem espessamento de parede sabe quando você já viu espessamento aí você já pensa mais numa e momento para mesmo ou numa piometra mesmo que pequena ou inicial tá se você tem uma piometra vamos ver aqui e aí e aí e aí e olha aqui aqui eu tenho uma imagem de útero e se o outro ali média 078 tá vendo ele tá com tamanho se eu fosse pensar o tamanho desse útero tá normal mas olha aqui eu tenho conteúdo anecogênico aqui dentro e o que me faz perceber esse conteúdo anecogênico muitas vezes vai ser a visualização também dessa parede aqui a parede faz eu perceber que tem uma parede com gênica e um conteúdo anecogênico então mesmo que medindo 0 78 se eu percebo que tem conteúdo anecogênico eu já vou questionar se esse animal tem uma hemometra o miométrio é inicial olha só aqui essa imagem tá com trânsito torre linear olha realmente pode te ajudar muitas vezes a diferenciar uma pequena piometra é o transdutor e lineares e tá é assim ou não é muito importante ajudar mesmo então muitas vezes vai ser importante aí a urinar mas se você não tem você vai qualificar a imagem tentar configurar o teu equipamento para que você possa ver com o micro convexo e é o que eu sempre falo você sustentou que tem uma piometra uma coisa inicial você pode sugerir um acompanhamento daqui a uns três dias quatro dias e se puder fazer um hemograma nesse período também vai ajudar aí na sua interpretação tá e aí e aí e aí e essa essa imagem que você deve esperar o útero de um animal no cio e no final vou dar uma passeada lá no gardênia para gente pegar outras imagens e os vídeos oi e o ovário pode ser assim é mas também pode ser assim o ovário elcio é aquilo né a gente está falando de todas as fases de influência hormonal porque vai ser muito semelhante as imagens é e aí g1 e aí e aí e aí bom então aqui eu tenho uma pe o metrô na né aquela mais comum assim é que aquela que a gente mais vê por aí né então aqui eu tenho a parede do útero aqui tá não tá muito espessa a um pouquinho espetadinha e isso aqui basicamente é conteúdo é o útero repleto por conteúdo anecogênico líquido rico em celularidade então é um conteúdo que tem uma celularidade muito marcante lembra que eu falei que nas pequenas piometra a gente não vê tanto a celularidade e nas maiores piometra a gente consegue evidenciar a melhor essa celularidade oi aqui é uma outra imagem daquele mesmo útero mostrando aqui olha essa aqui é a parede interna a parede externa a e aí ó e aqui conteúdo o conteúdo vou apagar então aí eu tenho uma piometra inclusive aquilo tem o que a parede espessada e irregular também bom vamos lá olha esse aqui esse é velho mas vale a pena olha aqui eu tenho aqui esse é o rim direito e esse é o fígado esse aqui olha é o diafragma da pessoa isso aqui opa isso aqui era o útero na verdade isso aqui o útero e se era um pedaço do útero né que ocupava grande parte da cavidade abdominal e esse útero ele tava medindo aqui olha aproximadamente daqui até aqui 3,9 centímetros de diâmetro essa é a forma de medir o útero a gente mede sempre assim para colocar no laudo a falar dois centímetros de diâmetro aqui esse aqui olha as medidas tá vendo aqui 2,6 por 3,2 é comum isso você ter medidas diferentes em diferentes segmentos do útero aumentado é bem comum tá não indica nada ah mas se tiver um pequenininho e do outro lado enorme não indica nada não indica a torção da porque eu já vi várias vezes as pessoas a é torção torção não não indica eu tô com sono nenhuma isso é perfeitamente comum de acontecer em diferentes diâmetros ao longo do útero oi ok e aí a daniela você está escrevendo eu vou alguma coisa no seu teclado que você tá escrevendo uma carta para mim g1 e aqui não acabo falei gente e ai ai ah então tá então vamos seguindo olha eu não sei se vocês aqui tem algumas pessoas que conhecem outras nova o mundo ultravet que é um site de conteúdo de ultrassonografia que eu tenho ele é muito legal assim tem algumas palestras lá que estão tipo prontas e ficam lá para assistir a hora que quiser então tem uma palestra super legal de interior vário tem palestra de piometra tem palestra de útero pós-parto tem palestra de testículo ectópico tem um monte de coisa legal entendeu tem umas palestrinhas pequenininhas a gente está fazendo uma uma palestra por mês agora que vai ter dor e do aleatório da a última a primeira que teve semana passada por sobre líquido livre com causas cardíacas ah e assim vai então é bem legal também se vocês quiserem conhecer tá bom eu já também me perguntar alguma coisa depois me pergunta bom então bora seguir aqui ó e lá então continuando a gente vai falar sobre a hiperplasia endometrial cística que eu adoro porque eu acho lindo lindo tá bom então se eu coloco no laudo apenas piometra olha o meu laudo de piometra não lá se eu não sei qual é a secreção que tá saindo não sei não tem a menor ideia eu coloco assim útero vou colocar uma tamanho aleatória aqui para eu a gente ficar útero moderadamente aumentada de volume medindo aproximadamente 2,5 cm de diâmetro repleto por conteúdo anecogênico rico e celularidade parede aí eu vou falar da parede se ela tá espessada ou não ecogênico homogêneo apresentando-se espessada irregular medindo tanto tá eu botei ele a medida não então vamos lá útero aumentado moderadamente a botei 2,5 tá ok pontinho pontinho pontinho imagens compartilhadas com piometra barra hemometra quando eu não tenho a menor ideia eu coloco isso oi e o metro a barra em momento e eu coloco hidrômetro quando um cometa não quase não uso hidrometra eu coloco assim quando esse útero ele tem menos de 2 cm geralmente até um e meio e a parede tá bem fina bem fina sem espessamento aí eu coloco imagens compatíveis com hidrômetro biométrica barra e uma meta com diagnóstico diferencial para hidrômetro tá esse eu vejo o ter o mesmo que pequeno até um centímetro mesmo mas eu vejo a parede um pouco espessada e mesmo que pouco líquido mas eu vejo a paredinha expressada em regular eu já aqui chamo se não é uma piometra em uma meta inicial eu falo em que o metro e momento inicial mas várias pessoas já me perguntaram a tem gente que acha que não existe piometra inicial tudo bem eu acho que existe porque é é só um dia e o dia que ela começa é inicial e ela vai evoluir até uma grande ferramenta tá então mas se você não quiser falar piometra inicial não tem problema você coloca piometra pequena pequena piometra é importante você colocar para o veterinário o tamanho do útero se é é totalmente diferente aí o se você for pensar na abordagem claro o animal tem que operar tudo bem tá mas se você for pensar que aquilo tem uma piometra e aquilo também tem uma piometra é claro que a gravidade dessa piometra oi aqui é maior do que a gravidade dessa piometra aqui quanto tempo vai levar para evoluir não sei mas eu tenho um tempo aí tá de repente é importante passar isso para o veterinário claro que através do que a gente possa é obter de informações pela ultrassonografia tá e aí oi oi e caiu mas será que foi bom continuando e aí é sim show oi hoje a minha internet tá bombando aqui bom super bombando e aí e aí a meta rompida eu tenho quem é daniela me lembra eu vou tentar me lembrar de colocar na sala de aula os modelos de laudo mas se eu não colocar me cobra pode me cobrar sol me manda zap só me manda manda lá os modelos e agora vamos lá tem uma outra pergunta aqui vou voltar aqui porque a gente está falando de pensamento e aí oi ana paula vamos lá vou responder sua pergunta e aí e se estiver rompida com líquido livre na cavidade você coleta para confirmar o conteúdo bom vamos lá alguns detalhes sim se você tiver vendo ou útero e o outro com piometra e líquido livre na cavidade pode se realmente ser uma piometra rompida geralmente quando você tem uma piometra qualquer tipo de ruptura você tem uma omentalização que essa ao mentalização busca o que me juntar o momento ali e fechar o buraco do útero por exemplo então você pode ter um realmente o útero com conteúdo e líquido livre na cavidade isso pode indicar uma ruptura e às vezes você pode ter um outro bem pequeno e uma parede friável alguma coisa assim onde você tenha fissuras nesse outro e você também vai ter só um mentalização e você muitas vezes visualiza isso sem tanto líquido porque eu vou tá pequeno e aí em audiências na parede do útero como imagens hiperecogênicas aderidos à parede da então você vai ter essas duas formas mas se você porque às vezes a gente vê um monte de líquido livre no no na cavidade abdominal com celularidade e fica tipo pensando por será que é o útero sabe porque a gente fica né tentando pensar em todas as possibilidades então você pensa será que o útero e tal enfim pode até ser vamos pensar que o templo explodiu só que geralmente para pensar em útero você precisa ver o útero alterado para você poder correlacionar o útero alterado então eu posso ter tido algum problema nessa parede alguma condição estranha que me levou a ruptura e é muito mais comum essa ruptura tem relação com parede alterada de útero do que propriamente com o tamanho do útero porque às vezes a gente viu uma piometra gigante com a parede fininha ela vai romper e aí a do pop entendeu no wamp fica parei de mega fina então é o que eu falo eu considero que as paredes mais alteradas tipo com os pensamentos com hiperplasias e etc elas rom tem mais facilmente do que as paredes mais lisas tá e aí vai variar questão do do volume também da piometra me responde e aí e aí bom então aí você tem que ver se tem pouco líquido tem que anotar tudo tem que analisar entendeu que as vezes o animal também pode-se ter uma idade alguma idade pode ter uma vez um problema cardíaco um pouco de líquido na cavidade e você tem agora uma alteração em útero então sim você pode coletar esse líquido geralmente você vai coletar um líquido mais para purulento amarelado esbranquiçados e opaco tá mais opaco e quando for ruptura de útero e aí e aí e aí e aí e aí o show e aí ah então beleza então vamos continuar a e vamos tenho tratado algumas sim daniela eu faço isso direto direto eu acompanhei nós e número de tratamentos e eu já descobri por exemplo que tem alguns detalhes aí depois se você quiser a gente até fala sobre isso sem matrizes porque eu trabalho muito com criadores também e e assim até um certo ponto tem como você ter um a obter um êxito aí no tratamento tá depois a gente fala sobre sobre isso no zap tá vamos lá então hiperplasia endometrial cística olha lá que eu vou ver então a hiperplasia endometrial cística pela ultrassonografia bom visualiza-se aumento do diâmetro do útero com múltiplos cistos de tamanhos variados na parede uterina só que olha só aqui quando fala na parede uterina eu quero dizer não é endométrio ou seja é a parede interna do útero ok então esses cistos eles ficam para falar em hiperplasia endometrial cística eles ficam no endométrio é mais um parênteses porque existem cistos acidentais que são visualizados do lado de fora do útero caso alguém aqui passa cirurgia provavelmente já viu isso na hora da cirurgia no útero tem um cisto ou mais que tá do lado de fora do útero isso não é hiperplasia endometrial cística isso não é cisto endometrial ok isso é cisto cisto endometrial ele está no endométrio portanto estará dentro do útero tá bom então você pode ter a presença apenas de cistos mandou metrio e sem visualização de conteúdo e aí nesse caso você vai ter o diagnóstico de hiperplasia endometrial cística aqui deixa eu deixa uma explicação aqui quando a gente fala hiperplasia endometrial lá atrás aquela que era um pouco heterogêneo o útero não era liso aquela hiperplasia endometrial já poderia ser uma hiperplasia endometrial cística por exemplo então em se falando de uma biópsia onde a gente poderia analisar histologicamente o material sim poderia ser uma hiperplasia endometrial cística porque poderia ser uma alteração já iniciando e geralmente as hiperplasia do endométrio costumam ser císticas tá só que por quê que naquela lá eu não chamei de cística porque naquela eu não estou vendo uns isto para poder me dar uma de o que se estica então através da ultra-sonografia é o que eu posso falar ok então quando eu tenho eu vou falar não vai ter plasma endometrial cística é porque eu estou vendo cistos essa a hiperplasia endometrial cística ela pode ou não estar associada à presença de líquido no útero ok quando temos líquido então a gente vai falar que temos então uma hiperplasia endometrial cística associada a emo metra ou piometra o mais comum é ela estar associada a hemometra é normal mais normal a cadela ter um sangramento tá no caso das hiperplasia endometrial e císticas e e aí e olha lá olha que linda essa aqui aqui o trouxe essas imagens que eu adoro essas fotos é um caso tão casos né de hiperplasia endometrial cística com piometra barra hemometra olha isso aqui é um corte transversal do útero olha esse o útero pelo amor de deus a coisa mais linda olha aqui essas bolas que você tá vendo aqui são cistos olha são arredondados tem conteúdo anecogênico no interior são imagens císticas e olha como elas estão próximas a parede tá aqui essa e são corte transversal aqui essa imagem é conteúdo e líquido com celularidade então você observa aqui que o interessante é que o conteúdo líquido dentro do sinistro ele é muito mais anecogénico do que o conteúdo do útero oi tá diferenciando aí também trazendo essa diferença é importante aqui tem mais uma coisa nesse útero tá vendo essa imagem hiperecogênica isso aqui é uma imagem de endométrio também no caso aqui a parte da mucosa do endométrio tá a mucosa do endométrio onde ela tá aqui espessada e hiperecogênica indicando também uma endometrite nesse animal mas aqui eu não vou falar ela tem uma endometrite não é endometrite é um brinde tá tá ganhando um brinde aqui de endometrite que vai ser essa inflamação granulométrico alteração principal desse útero é hiperplasia endometrial cística com piometra o inmetro e olha esse esse também é daquelas bem antigas na e é bem antiga mas olha nessa imagem eu vejo a cachorrada aqui dentro fazendo bagunça e aí e eu vejo a imagem de várias estruturas císticas arredondadas mas eu não evidencio propriamente conteúdo no interior então principalmente cistos hiperplasia endometrial cística e olha essa aqui gente aqui eu tenho a bexiga só que a bexiga e aqui embaixo e o útero essa estrutura tubular aqui olha o útero parece até a parede da bexiga lembra que eu falei era tão perto que chegava sobrepor essa parte a parte do útero que tá ali chegando ali para o finalzinho da bexiga e aqui também é o mesmo animal outra parte do útero ali em cima bexiga então ele é essa estrutura tubular aqui eu tô vendo um dois três quatro cinco estruturas císticas que eu estou visualizando claro que eu isso aqui é um pedaço do útero que eu tenho que fazer seguir se o útero não é e seguindo a imagem do útero para ver se existem outros cistos e principalmente se existe a presença de conteúdo em algum outro ponto desse útero mas isso aqui é uma hiperplasia endometrial cística sem conteúdo no interior tô vendo somente aí os cistos e o útero e co gênico e aí e olha lá continuando aqui então o que como é que a gente vai ver então o útero pós-parto gente é muito importante você precisa saber reconhecer um útero pós-parto porque é a muitas coisas podem acontecer na sua vida relacionadas a isso mas muitas vezes a pessoa traz a cadela e aí nem sabia que estava grávida né e tá lá o útero pós-parto porque às vezes pode ser um pós amor tu também tá então é importante reconhecer um útero pós-parto porque ele é bem característico bom então vamos lá é bom a involução uterina após o parto ocorre em 9 a 12 semanas aí no caso eu tô falando a evolução toda né 12 semanas são 3 meses né é isso aí por acaso coincidente mente é o mesmo período do anestro né do momento então havendo a presença de lóquio podendo haver durante 4 a 6 semanas podendo chegar a oito semanas mas o mais normal é ter secreção após o parto no máximo do máximo do máximo até 30 dias isso já é muito bom então a gente vai ter aí o útero pós-parto ele vai ser dividido em dois aspectos o primeiro vai ser o útero pós-parto imediato que é isso aqui olha nos primeiros dias após o parto ou seja logo após o parto e nos primeiros dias após a gente vai ter o diâmetro do útero nos sítios placentários de 2,2 a 2,8 cm só que isso não é o mais importante não é tão importante essa questão do tamanho é muito importante que você observe que se útero claro ele tá aumentado né porque tinha filhotes lá dentro os filhotes saíram então esse útero e ainda estilo de conteúdo e esse conteúdo que tem dentro do útero ele corresponde a restos de anexos fetais e maternos sangue e coágulos tá então eu tenho todo esse conteúdo dentro do útero então eu o que eu vou visualizar através da ultra-sonografia vai ser o útero é de volume e o conteúdo dentro do útero ele é ecogênico branco mas ele tem uma ir com ele eu tenho uma rico genicidade mista ou seja na parte nessa fase inicial do pós-parto ele é ecogênico e heterogêneo tá porém predominantemente e com gênico bom entre 18 e 24 dias após o parto o tempo vai passando a parede fica mais fina e menos irregular e o conteúdo dentro do útero ele continua ergogênico só que agora ele é ecogênico e homogêneo ou seja ele não tem mais aquela não é mais todo heterogêneo como ele era um aí ecogênico e homogêneo esse conteúdo ele pode ser visualizado dessa forma até no máximo 45 dias após o parto mas com 45 dias úteis já tá pra é o tamanho normal tá e aí bom então olha lá vamos ver aqui uma imagem de útero pós-parto bom só para ilustrar mama a mama claro mama hiperplásica né porque ela tem pós para estarem pós-parto aqui eu tenho útero essa faixa branca aparelho de abdominal útero a estrutura tubular olha lá gente aqui eu tenho uma coisa que eu gosto muito de falar é o seguinte para gente observar aqui interessante observa que aqui no período pós-parto eu tenho um conteúdo no útero ecogênico esse conteúdo aqui ó ele é branco não é é um conteúdo e co gênico e ele é mais seco gênico que a parede do útero que tá aqui ó onde eu tô onde eu tô fazendo essa linha eu vou fazer aqui ó o endométrio oi ó então aqui a parede e aqui a conteúdo eu vou apagar e olha lá o pão e o parede e conteúdo no útero pós-parto é uma das poucas vezes onde você vai ver o conteúdo do útero mais de com gênico que a parede conteúdo branco e parede escura ok aqui a gente tem o endométrio a linha do endométrio a mucosa do endométrio que isso aqui também é endométrio espessado mas aqui é a mucosa do endométrio ela é hiperecogênica tá vendo aqui dá até para lotar uma linhazinha hiperecogênica essa é a mucosa do endométrio tá aqui o praticamente não vejo mucosa por quê porque ela é ecogênica e o conteúdo também ecogênico então quando o conteúdo se junta com a mucosa a mucosa do útero que é o endométrio que também ecogênico eu passo a não evidenciar a mucosa e olha lá aqui para a ação do tempo tempo foi passando e a cadela continua no pós-parto o que eu tô vendo aqui parede do útero conteúdo e parede eu vou desenhar de novo a parede aqui e mais uma vez eu te falo a parede está mais escura que o conteúdo olha isso aí como é que tá a persistindo tá então eu ainda tenho aparelho de um pouquinho estressada mas o conteúdo está ecogênico e muito mais homogêneo percebe que ele tá branquinho aí ficou gênico e homogêneo o meu deus e aí o parque pronto desculpa tá e olha então deu para entender a diferença do útero pós-parto ele é bem característico praticamente só no útero pós-parto que ele aparece assim tá então endometrite a endometrite aí jardim já tá falando como eu falei antes né até então a gente teria uma influência hormonal quando a gente fala em endometrite geralmente para a gente colocar o nome desta alteração é endometrite como eu falei antes você pode ter uma piometra uma hiperplasia com endometrite sendo aí a endometrite uma inflamação do endométrio que é claro que vai estar presente também nos processos de piometra c etc claro só que aqui quando a gente fala endometrite basicamente a gente tá se referindo a um processo onde foi carreado um material contaminante para dentro do útero ah e não necessariamente eu preciso ter influência hormonal vamos entender isso aqui então aí endometrite é uma infecção bacteriana uterina que ocorre na maioria das vezes após o parto e pode evoluir rapidamente para septicemia ou toques e mia tá então vamos lá a cadela pariu um ok a endometrite é mais comum de acontecer quando você tem um pacto laborioso uma retenção fetal uma retenção de placenta é mais comum mas pode acontecer em qualquer parto normal de preferência tá então é a cadela pariu e aí uma bactéria da vagina resolveu passear lá no útero né a sérvia que se aberta e aí ela foi parcela no útero o que aconteceu e rapidamente houve uma contaminação daquele material todo que tava lá no útero lembra que eu falei que era o que o gesto de anexos fetais e maternos sangue e coágulos ou seja um meio de cultura delicioso para bactéria né então muitas vezes essa contaminação é feita dessa forma e a outra possibilidade de uma contaminação que é recriada para dentro do útero vem a ser a a inseminação artificial então por exemplo é relativamente comum em casos de inseminação artificial a cadela desenvolver uma endometrite no período aí que que acontece no aí vamos pensar de outra forma a gente foi lá eles terminou a cadela a pepeta tava contaminada joguinho a contaminação lá no útero só que aí o que que eu tenho nessa cadela agora e ela está em diestro né isso ou seja ela está na fase praticamente o mesmo que não seja agora ela está entrando na fase progesterônica da isso porque é seria a fase onde ela estaria à gestante então nessa fase progesterônica você vai ver todas as alterações relacionadas a progesterona que vão influenciar para colaborar para bixa ter uma pimenta entendeu rapidamente aqui falando ah a progesterona ela fecha service ela aumenta a secreção das glândulas do útero promove e a hiperplasia das glândulas ainda assim ela diminui a defesa local do útero olha isso ou seja aí você vai lá e faz uma inseminação e joga uma bactéria lá dentro eu tô em diestro meu filho agora vou desenvolver uma endometrite que vai evoluir e rapidamente nesse caso para piometra e muitas vezes acontece isso aí tá então uma coisa interessante dar endometrite aqui falando principalmente na endometrite pós-parto é muito comum ela é muito aguda e pode levar o animal a umas apps só lembrando que mais uma vez eu falando aqui sobre as quantificações é importante uma quantificação quanto é o útero tá tá com inflamação tá com endometrite quanto porque você pode ter um foco de endometrite um ponto do útero e não no útero todo e você pode ter uma alteração importante no útero todo então mais ou menos por aí você vai tentar quantificar essa alteração aqui lembrando que é importante então examinar o útero todo e ao exame ultrassonográfico detecta-se aumento do útero espessamento da parede mucosa com contorno irregular e aumento da ecogenicidade do endométrio normalmente pequena quantidade de conteúdo anecogênico em seu lúmen então esse é o caso o plástico aqui de endometrite aqui eu tenho uma endometrite de uma gata mostrando aqui um corte longitudinal do útero onde eu tô vendo aqui a parede externa aqui a parede interna aqui a luz e ó e aqui a parede aqui é luiz olha só vamos analisar essa imagem aqui eu tenho aqui a parede tá vendo essa essa aqui olha branca hiperecogênica aqui eu tenho u é um do metro a mucosa do endométrio é espessada irregular o conteúdo aqui que era para ser o normal ergogênico branco ele tá mais para a nikon gênico então esse conteúdo não é normal por isso o fato do conteúdo está mais escuro tá favorecendo a visualização aqui da mucosa do endométrio tá deu para entender essa parte gente então aqui eu tenho aqui o tem um corte transversal desse útero mostrando aqui a irregularidade dessa mucosa e também mais uma vez o aumento da ecogenicidade do endométrio e aqui um outro caso de endometrite é uma cadela olha só observa já de cara isso aqui é um corte longitudinal do útero mas olha aqui no meio e olha aqui no meio conteúdo anecogênico não é uma quantidade enorme não tá mas olha só tenho conteúdo anecogênico devido à presença desse conteúdo eu tô conseguindo ver o endométrio espessado irregular e e com gênico tá então aqui eu tenho caso de endometrite pós-parto bom então agora a gente vai falar um pouco sobre os ovários o show de boa então vamos seguindo e vamos falar então sobre os ovários tá então é o que eu tenho de alteração e ovário e ovário não é difícil o que eu tenho de alteração quando os ovários existem basicamente eu vou ter cisto ovariano e ovário policístico ou neoplasia tá então no caso de um cisto ovariano a gente vai ter a presença de estruturas arredondadas com conteúdo anecogênico e presença de reforço acústico posterior os isto ele pode ser unilateral pode ser bilateral e o sistema ele pode ser um único cisto assim como eu posso ter vários cistos no mesmo ovário tá e eu tô falando assim de vários cistos no ovários porque quando eu falar de ovários policísticos eu vou mostrar para vocês que eles têm né ser grande mas eu posso ter um ovário não bom e com vários cistos e olha lá e olha essa imagem aqui eu tenho isso aqui tudo é o ovário é só que tudo é o ovário ó essa parte aqui também é ele só que aqui ele tem uns estão olha tem uma imagem cística grande que assim muitas vezes você não olha não tá tão grande né tá com 1,2 muitas vezes você não consegue afirmar que é um cisto apenas pela imagem é muito importante que você possa correlacionar essa imagem cística com o período da fase do ciclo em que a cadela se encontra por exemplo se você tem essa imagem no ovário ea cadela está em fase de anestro é importante e provavelmente é um cisto tá mas é difícil às vezes você afirmar o exercício ou folículo olha lá eu tenho aqui essa imagem olha lá uma imagem não topografia de ovário eu vejo uma estrutura cística arredondada aqui produtora de reforço acústico posterior e pode ser um cisto nesse caso essa cadela era castrada e era uma pesquisa de ovário remanescente então esse ovário remanescente dela ele se tornou um cisto isso pode acontecer é relativamente comum não é regra não mas pode acontecer o que facilita muito a nossa procura né se você tiver procurando ovário remanescente e ele tiver virado um cisto ele vai aparecer muito mais facilmente do que apenas um resto de ovário o e ovários policísticos então presença de várias estruturas cinéticas em topografia de ovários tá olha lá então vamos ver aqui uma imagem de ovário policístico olha isso e aqui eu tenho 1 2 3 4 5 5 ou 6 cm esse ovário então ele tá bem grande tá e você vê que ele parece um cacho de uva tem várias imagens arredondadas e anecogenicos tá e olha esse outro aqui mais um ovário policístico aqui esse de uma gata também muito importante quase 5 cm e ovário com várias estruturas então císticas grande né chover aqui e aí g1 e eu no brasil de ovário bom a neoplasia de ovário olha gente o que que acontece com a neoplasia de ovário bom uma coisa que você pode o que pode te ajudar a pensar isso é uma neoplasia de ovário claro a topografia ok então o que que acontece você pensa assim eu tô aqui examinando o caudal ou ruim se eu arrasto o meu transdutor caudal rim e eu vejo uma massa eu vou pensar eu estou na topografia de ovário essa massa pode ser uma neoplasia pode as massas de ovários elas tendem a ter características císticas também geralmente muito heterogêneas tá ok então como toda neoplasia vai apresentar uma aparência variável mas como eu falei elas têm minha terça característica cística ok e a gente falou sobre a topografia muito interessante só que esse é o ovário ele tende a formar massas muito grandes então enquanto ela não tem um tamanho muito grande ela vai manter a topografia dela caudal a ovário isso vai te ajudar a perceber que pode ser uma neoplasia de ovário quando essa neoplasia de ovário ela começa a crescer o que que ela vai fazer ela vai ela vai crescendo e tomando uma proporção grande e aí ela vai perder essa característica é isso e aí ela vai quando ela vai crescendo crescendo ela vai crescer para todo o abdômen então nesse nessa nesse momento ela vai perder essa característica da topografia então você vai ter capacidade de visualizar essa massa em todo lugar por exemplo ela ela era do ovário direito mas agora você tá vendo essa massa colada no braço colado no rim direito nós topo o direito porque porque ela está praticamente pegando todo o abdômen pode acontecer tá é relativamente comum as neoplasias de ovário ficarem assim muito grande e eu tenho aqui uma uma neoplasia de ovário que não é grande mas olha eu tenho uma irmã é grandinha mas não é gigante até para um labrador então ela tá na topografia de ovário olha aqui na hora de colocar na foto eu coloquei formação em topografia de ovário direito porque na hora deu de escrever isso aqui eu posso colocar em topografia de ovário direito foi observada uma formação aí eu vou o seu gênia e é predominantemente anecogenica medindo aproximadamente 7,94 quadril 94cm e mais completo compatíveis com neoplasia ou formação a esclarecer a feita aí o laudo e aqui mais uma olha aqui gente aqui é o rim direito e aqui é caudal ao rim então aqui eu já tô vendo ainda que essa massa ela tá na topografia calda ordem aqui também poderia ser uma neoplasia de ovário ah tá então aqui estendeu um pouquinho vamos falar sobre granuloma de coto que ainda é ainda aparece tá o granuloma de couto ele ocorre na maioria das vezes por uma reação ao fio de sutura que foi utilizado na cirurgia de ovário histerectomia tá ao exame ultrassonográfico são estruturas pouco definidas com ecogenicidade mista então vamos ver aqui ó e olha só vim o ovário e ovário tá bom então o que que aconteceu o veterinário cortou aqui não foi fez uma cirurgia e aqui os dois ovários e aqui no útero cortou o resto de útero aqui né curto então aqui nesses locais a gente vai ter uma reação da cirurgia claro tá é então o ideal é que não apareça nada é que esse fio fique perdido ali e possa ser visualizado eu posso ser visualizado como uma imagem o hiperecogênica isso aqui ó é só que tá a pelo amor de deus gente você não precisa ver isso aí tá você não precisa se você não tá vendo na verdade se você tá escaneando para lá e para cá cadela é castrada e você não tinha vendo nada tá perfeito tá mas vamos ver que tem esse ponto aqui mas se você tiver um granuloma que é o que o granuloma gente o granuloma é uma reação do organismo que nesse caso aqui é chamada de granuloma tipo corpo estranho o organismo então ele reconhece esse fininho cirúrgico como uma coisa estranha organismo então ele entra num processo de englobar essa estrutura que é o processo do granuloma tipo corpo estranho então esse filho ele vai ser englobado pelo organismo então muitas vezes você pode ver uma imagem de granuloma como uma imagem hipoecogênica com ponto central hiperecogênico que a imagem mais comum tá esse povo central pode até produzir uma sombra acústica posterior tá então esse granuloma ele pode ser formado e ótimo ficar ali parado só que é relativamente comum esse granuloma e ele ter aqui uma aderência de um brother ureter adere no granuloma por causa da reação inflamatória o na terra tá passando aqui também comum adere aqui e ao longo do tempo esse animal apresenta uma dilatação desse ureter e também uma hidronefrose onde vai ficar cheio de líquido e vai ser totalmente destruído tá então é uma complicação comum do granuloma e deixa eu ver mais uma coisa uma outra reação do organismo é tentar expulsar esse granuloma onde onde a gente pode observar a presença de fístulas o animal uma fêmea apresenta fistula na região do flanco aquilo é uma ferida que fecha e abre e fecha e abre e fecha com tratamento e abre de novo então geralmente são uma fístula e pode ser o organismo tentando expulsar esse ponto que ele está entendendo como estranho organismo oi ok bom então vamos ver e aqui a imagem igualzinha que eu desenhei de um granuloma de couto olha só que interessante presta atenção aqui o tem o culto terino e okotowari ano direito é comum quando o animal tem eh problema desse tipo de problema ele tá reagindo contra o fio então é comum que ele tem essa alteração possivelmente até nos três pontos onde ele teve a ligadura do ponto entendeu porque se ele tá reagindo contra o fio é comum que esse essa reação se repita nos três pontos de ligadura olha esse que bonito esse aqui foi um caso o meu aqui era a bexiga olha o finalzinho da bexiga e eu tenho essa imagem grande aqui o mal definida hipoecogénico ponto central hiperecogênico aqui e essa cadela ela tinha é o rim dela não existia mais um deles né e como é muito comum essa alteração ela pegar um ruim só o irmão tem alteração tipo de uréia creatinina função renal nada então é muito comum essa alteração vir em seguida de um achado de hidronefrose no rim tá se pegar os dois dias aí sim você tem um grande problema mas geralmente pega um só e aí você não tem sintomas para esse animal tá porque a hidronefrose para um só não causa sintomas por quê porque o outro rio vai estar sobrepondo a falta daquele que não existe mais tá legal pessoal então vamos continuando e vamos falar então sobre aparelho reprodutor masculino oi ok g1 e aí e aí bom vamos lá continuando então a gente vai falar agora sobre aparelho reprodutor masculino e vamos começar falando sobre próstata bom então a próstata ela é a única glândula sexual acessório identificada pela ultrassonografia nos cães claro que nos machos né a gente amava isso bom ela está localizada caudalmente à vestido urinária e circunda a uretra na região de colo vesical possui dois longos divididos por septo fibroso e uretra logo esquerdo e logo direito olha lá vamos ver aqui esse esquema eu tô vendo aqui g1 eu estou vendo aqui a bexiga e aqui é uretra essa uretra que olha é uretra prostática ela atravessa a próstata próstata uretra tá aqui a próstata vai ficar em volta da uretra tá e aí eu tenho aqui uretra perineal essa parte aqui ó o que é aquela parte lembra que a gente não consegue ver da outra e aqui uretra peniana tá então aqui eu tenho próstata e uretra prostática ok e aqui eu tenho testículo epidídimo causa de pedir de uma cabeça de pedindo demo corpo de pedimo ducto deferente que a gente não vê na ultrassonografia ok ah então deixa eu fazer um as um desenho aqui vamos ver se vai ficar bom azul vai acho que se eu acho que eu vou querer uma cor mais clara e olha lá vamos ver aqui é boa a bexiga tá assim isso aqui é um corte o que longitudinal da próstata olha a próstata tá aqui ó me dá o quê que é importante aqui vamos entender primeiro quando a gente faz essa medida no corte longitudinal da próstata eu vou fazer um desenho aqui do meu cachorro oi eita é vai ficar desproporcional mas é só para vocês entender a cabeça dele tá aqui e olha que próstata tem que me seguir e o corpo dele tá aqui isso aqui é o rabo dele ah tá a perna dele ah tá então quando eu tiver fazendo esse corte eu tô fazendo um corte longitudinal da próstata e quando eu fizer a medida de diâmetro que é essa medida aqui que eu tô fazendo o que eu tô colocando a uretra no meio da próstata e colocando a próstata de forma simétrica onde eu vejo os dois logos dessa forma eu estou fazendo um corte que se chama a medida de altura ou dorsoventral para isso que o desenhei o boneco aqui o meu cachorro para você entender é dorso-ventral essa medida ou poderia ser dentro do sal tanto faz tá e também poderia ser a medida de altura da próstata tá ok e se chama essa é a medida que a gente mais comumente faz e chama de diâmetro então é o diâmetro no corte longitudinal ou altura ou e da dor só vendo carro show e aí eu tenho o outro corte que é o corte transversal da próstata vou fazer aqui e eu não vou desenhar o animal agora vou desenhar só a próxima tá e aí no corte transversal vou ver isso aqui ó o opa então uma coisa importante de você observar na próstata é o formato anatômico por isso que eu vou fazer até outro desenho aqui porque eu queria que a minha porta para tivesse um formato anatômico e legal eu quero o que eu quero uma simetria nos meus logos flor estáticos e aí nesse aqui olha eu vou ver a uretra cortada transversalmente olha que bonito gente e aí nesse momento eu posso fazer a medida também de diâmetro da próstata tá aí o diâmetro que eu vou fazer é aqui essa medida é a medida látero-lateral da próstata ou também conhecida como diâmetro em corte transversal deu para entender essas são as medidas que a gente faz então continuando anatomia ultra-sonográfica da próstata ela o jantar formato simétrico e bordo os lisos parênquima com ecogenicidade homogênea e aí bom então olha lá uma imagem aqui da próstata gente olha só indica mais importante para encontrar a próstata você precisa seguir a bexiga estendendo-se caudalmente procurando o pescoço ou colo da bexiga ou o final da bexiga e o início da uretra ok quando você encontra esse início da uretra vamos fingir que você está procurando ver a uretra então você vem na sequência procurando vir a uretra tá o que que você vai ver você nessa faixa escura aqui no meio da próstata g1 e vamos ver uma pergunta eu não entendi a posição do corte longitudinal ai pior é que eu acho que eu não vou conseguir voltar no meu maravilhoso desenho será deixa eu ver e aí a luz e e aí e eu vou fazer de novo e aí e olha lá vamos lá aqui é vou fazer o cachorro agora deixa eu fazer o cachorro assim eu só que eu tô fazendo cachorro aquele tá de barriga para baixo né é barriga para baixo o jeito que ele anda mesmo né e o rabo bom e as pernas ah tá então sim traz doutor tá aqui ó é só que eu fiz o cachorro em pé por que que eu fiz o desenho do cachorro em pé e olha aqui tá próstata eu fiz o desenho dele em pé porque eu queria que vocês entenderem sim que esse essa esse corte que é o corte longitudinal da próstata que esse corte é o mais comum que a gente faz chamado de diâmetro ele é o corte dorso-ventral quis que vai que vem a ser então a medida de altura é só na verdade para vocês entenderem que aqui o claro que eu poderia ter virado isso aqui ó e aí e aí e eu vou abrir aqui para essa doida saia eu fiz o cachorro de cabeça para baixo agora e ai eu desisti não quer sair entrar olha lá olha aqui um transdutor agora a e agora vou ter o ok então aqui eu vou passar ter altura dentro do sal ou do recebendo tal é só para entender o corte da próstata em relação ao animal deu para entender agora e aí já chegou e por outro lado se esse animal ele for um corte transversal eu vou fazer aqui agora vou fazer um desenho 3d cara não sei se eu vou conseguir essa proeza que os meus desenhos né você sabe que é uma coisa complexa e só que é o rabinho do animal olha aí tô fazendo tudo transversal não 3d aqui e o a cabeça lá tô olhando ele de bumbum tô pegando assim ele botei ele aqui tá olhando o bumbum dele aí como que eu vou ver essa próstata é assim oi e aí essa vai ser a medida látero-lateral aí sinceramente eu não sei se deu para entender esse trem dele aqui da olhando o cachorro de bumbum tá mas é isso e foi show deu para entender né é complexo mas eu entendi tá beleza então vamos ver aqui a imagem olha isso aqui é bixiga tá bexiga e aqui a uretra e aqui eu tenho a próstata olha e aí aqui eu tenho a proposta para tá ecogenica direitinho parece homogênea esse é a medida do diâmetro ou a medida de altura dentro do saldo orçamental mais uma imagem aqui lembrando mais uma vez de procurar o pescocinho da bexiga para você ver aqui na sequência a uretra e aposta tá vai tá aqui eu vou apagar o pa e para que a gente possa ver a próstata saber que ela ecogênica e aparentemente homogênea aqui olha que bonitinha essa também aqui é o espaço da uretra e aqui a próxima eu tô todas no mesmo corte esse corte longitudinal aí e agora olha aqui aqui eu coloquei uma imagem da próstata tá louco corte longitudinal aqui a bexiga ó e aqui a imagem da prova esta tá louco corte transversal ele é que tem a uretra aqui a uretra ó e aqui a uretra olha lá o corte transversal ver se não é igualzinho aquele desenho que eu fiz oi e aí você vai medir assim e aqui e você vai medir assim tá linda essa linda linda vou apagar para gente ver sem o meu maravilhoso desenho olha lá aqui é o colo o cortado transversalmente show o show então o que a gente vai ter aí de alteração ah eu vou outra coisa para vocês vocês me cobrar hein e eu já não lembro que que era que eu tinha prometido e eu não tô anotando então vocês podem lembrar também e me pedir é para colocar ao laudo já sei o laudo isso já lembrei e pedir para eu colocar para vocês uma tabela de tamanho de próstata relacionada ao peso do animal coloco lá para você está então no caso a primeira alteração que a gente vai ter relacionada à próstata vai ser a hipertrofia ou hiperplasia prostática benigna não é que vai ser o complexo hhpp essa vem a ser a alteração prostática mais comum em cães e é mais comum em cães com mais de 6 anos de idade é na verdade o que a gente vê pela ultra-sonografia normalmente é um aumento no volume da próstata bom então então você vai medir a próstata e vai perceber que ela tá maior do que o normal e por isso eu falei sobre a tabela porque a tabela pode te ajudar nessa interpretação claro né então geralmente na hiperplasia prostática benigna você vai ter a próstata com aumento de volume pode ou não ter alteração do formato anatômico e também ela pode estar mais para lisa ou pode ter eventualmente alguma alguns isto alguma alteração também no parênquima e se a gente tem então a presença de vários cistos no interior do parente uma apostatico aí a gente pode pensar numa hiperplasia prostática cística que geralmente esse animal apresenta também sangramento pelo pênis olha lá ué cadê a hiperplasia prostática benigna e essa poderia ser uma de hiperplasia prostática benigna mas eu vou ter que olhar aqui na nossa no nosso hd porque não sei porque está faltando aqui mas a gente olha no hd sem problemas tá vamos seguindo para a gente voltar depois de ver isso então aqui eu tenho uma hiperplasia prostática cística olha lá essa próxima tu tá mentindo 6,4 eu considerei aumentar de volume e eu vejo vários cistos no interior do parênquima se tiver um cisto só você pode o plasma prostática e relataram a presença de um cisto mas assim vários aí a gente pode falar não vai ter prazer postar dicas estica a prostatite bom eu acho assim que a prostatite ela vai ser a alteração da próstata mas é difícil para gente porque ela vai ser um pouco subjetiva então venha ser um processo inflamatório da próstata claro geralmente associada a infecção bacteriana pode ser aguda ou crônica na prostatite geralmente o que a gente observa é que o parênquima da próstata ele não está liso então se você tem uma próstata com manchas no parênquima uma parte mais escura uma parte mais clara isso já indica uma prostatite e eu gostaria de ressaltar que você pode ter uma prostatite sem ter eu fazia que são alterações independentes e que também por outro lado você pode ter uma hiperplasia com prostatite aí você vai ter o que o aumento no volume e essa alteração de ecotextura no parênquima ok então são alterações independentes é muito comum no caso de prostatite você ter o aparecimento de abscessos prostáticos e aí é muito interessante porque essa imagem não é difícil a você vai observar então quando você tem a prostatite com abscesso você vai observar aqui tem a próstata né e você acaba então vendo a presença de coleções líquidas irregulares no parênquima prostático essas coleções líquidas e irregulares geralmente são abscessos tá então quando você percebe as imagens irregulares anecogenicas na no parênquima da próstata você já vai sacar abscesso então eu acho que aí já fica bem mais fácil de você falar que esse animal tem uma prostatite com um abcesso porque se ele tem abscesso ele tem prostatite ok bom então olha aqui eu tenho aqui um animal com uma hiperplasia prostática benigna olha o tamanho da próstata aqui o medi também eu nem passei essa medida para vocês porque não é tão comum mas é a medida de comprimento óbvio né de comprimento da próstata para ir bom então eu tenho aqui olha a próstata tá grandona tá aumentada de volume e eu tô vendo que ela não tá lisa eu não tô vendo efetivamente uma coleção líquida mas eu vejo manchas de mancha mancha mancha então essas manchas vão me sugerir que esse animal tem uma prostatite então a lenda hiperplasia que ele tem aqui porque eu estou definido pelo volume da próstata eu vou também falar uma prostatite que eu estou definido pela visualização dessas manchas e olha essa essa próstata ela já tá lisa mas observa que ela tem corte longitudinal os dois são corte longitudinal olha lá o o aurea tá passando no meio olha e aí e os cabelo e olha lá uretra passando aqui no meio ó e aqui a uretra passando aqui no meio o ok agora observa que essa próstata ela tá lisa mas ela tá mais branca que o normal ela tá com aumento difuso da ecogenicidade isso indica uma prostatite crônica ok indica uma prostatite crônica e aqui eu tenho uma imagem de próstata onde eu vejo manchas aqui ela tá mais branca aqui ela está mais escura que ela tá mais ou menos então essa próstata apresentando essas lanches me indica que esse animal tem uma prostatite esse também é um corte longitudinal mas observa uma coisa interessante esse não tá aumentado de volume eles eu não sei o tamanho especificamente desse animal mas 2,8 não costuma ser uma prova do teu é fazia tá então ele não tem hiperplasia mas ele tem no restante ti esse animal e a e agora vem a prostatite com abcessos eu achava que já nem ia ter essa explicação e aí o que que é olha lá presença de espaços intraparenquimatosos de margens e irregulares e preenchidos por líquido revelados por imagem hipoecogenica ou anecogenica tá às vezes é difícil a gente diferenciar a esse animal que tem prostatite com abscesso esse animal geralmente ele apresenta também uma secreção pelo pênis que normalmente vai ser aquela secreção amarronzada que corresponde ao os com sangue tá então vamos lá vamos ver uma próstata agora com abscesso olha aqui olha só imagem é uma próstata aqui eu tenho uma mancha olha mancha importante aqui no parênquima uma mancha no parênquima e vai definir a prostatite para mim e aqui olha esse eu até fazer longe olha aqui um uma coleção líquida irregular e sossegar o facho meu deus oi desculpa gente olha aqui é uma coleção líquida irregular tá e aqui é um abcesso então eu tenho aqui uma prostatite com abscesso e pode ser que tem uma hiperplasia também porque para um cocker dependendo do tamanho desse cocker eu acho grande 5,1 o diâmetro aqui também é corte longitudinal a tinta foi feito aqui eu tenho mais imagens de abscesso olha aqui aqui eu tenho um corte transversal olha o corte transversal cólon cólon sombra do colo ó e aqui eu tenho o parênquima dessa pros tatatá um pouco heterogêneo olha então tem uma prostatite e aqui poderia ser um cisto ou abscesso né mas esse animal esse é um outro corte da mesma imagem e aqui a gente vê que ele não é tão regular bom esse animal eu acompanhei ele durante muito tempo é porque o proprietário era reativo encastrar e até que ele castro e o animal ficou bom foi foi ótimo né porque todo e qualquer tratamento envolvendo próstata é necessário que se passa a castração não existe tratamento para alterações prostáticas que funcionam em claro né então como assim a gente vai ter castrar é importante que a gente também reconheça como é uma próstata após a castração então a a extração aproximadamente em três a quatro meses após a castração a próstata vai sofrer bem sofrendo né ao longo desse tempo um processo de atrofia e no final desses três a quatro meses atrofia prostática está completa da onde a próstata vai ficar muito muito menor do que e com aspecto totalmente diferente do que ela tinha antes então vão entender como aparece a próstata numa atrofia prostática ok que ocorre também em casos de degeneração testicular casos do testículo parar de produzir progesterona ou diminuir muito a quantidade isso pode também levar a redução do volume da próstata e olha lá a glândula se apresenta diminuída de volume hipoecogenica homogênea ou discretamente heterogênea ela mede normalmente de 1 a 2cm de diâmetro no máximo então a próstata de um animal castrado é bem diferente da próstata de um animal normal olha que a bexiga essa é a bexiga e aqui a próstata então observa que ela tá com ele vem cá eu não sei porque aqui ó esse aqui sentar que ela está aqui diminuída de volume e com diminuição da ecogenicidade e aqui um diâmetro dela tá medindo 1,36 tá é um beagle de 11 anos é importante é esse entendimento aqui porque muitas vezes essa esse aspecto da próstata ele pode até te responder muitas questões por exemplo se você não sabe se o animal é castrado é o animal pode ter testículos internos você não sabe não tem histórico se esse animal tem uma próstata de tamanho normal ele não é castrado ponto ok então essa visualização da próstata pode te responder principalmente se esse animal é castrado ou não é mais uma imagem aqui de próstata é só isso aqui olha essa ta medindo sem é 0,94 cm olha pequenininha o e neoplasia prostática bom a neoplasia prostática gente é bastante raro na nossa realidade na nossa rotina de ultrassonografia em pequenos animais tá quando temos uma neoplasia prostática a mais comum vai ser o adenocarcinoma prostático tá mas como eu falei anteriormente é incomum em cães olha o google bom ultrassonograficamente a próstata apresenta contornos irregulares ou deixe continuamos e contém áreas hiperecogênicas focais ou difusas no interior do parênquima aqui eu quero ressaltar que é um dado de literatura e eu considero que o dado mais importante aqui sobre a neoplasia prostática é esse aqui olha contém áreas hiperecogênicas focais ou difusas no interior do parênquima é é raro então eu também não vou te falar que eu vi vinte trinta neoplasia de próstata não vi não nesses anos todos 21 anos de ultrassonografia caso os meus eu devo ter visto no máximo quatro e casos da de outros alunos que eu faço consultoria então se amplia um pouco mais a minha casuística a fazer é raro e de forma geral todas as vezes em que ouvi neoplasia de próstata eu vi áreas hiperecogênicas focais ou difusas no parênquima que correspondem a mineralização do parênquima prostático vamos ver uma imagem olha lá olha olha esse aqui o primeiro esse animal olha o tamanho da próstata dele primeira coisa ele era um animal castrado sabidamente castrado então essa próstata já não poderia ser normal para um animal castrado e aqui abrindo um parêntesis para informação a não fazia da próstata ela vai ser a única doença que a gente vai ter na próstata também um animal castrado então se ele é castrado efetivamente ea próstata dele tá desse tamanho eu não tô comentando sobre o parênquima se ela tá desse tamanho e não é cartão mas ele é castrado e ela tá desse tamanho aqui se pensar na possibilidade de neoplasia e aqui olha eu vejo essas áreas várias áreas hiperecogênicas difusas pelo parênquima correspondendo a mineralização esse animal então tinha uma neoplasia prostática e continuando aparelho reprodutor feminino a gente vai falar agora sobre testículos e epidídimo que também não é uma uma coisa difícil não é uma parte difícil da ultra-sonografia até porque eu tô falando o testículo é fácil desde que ele esteja localizado na bolsa escrotal ok então anatomia ultra-sonográfica normal do testículo é ele tem um formato ovalado contornos regulares e ecotextura lisa aqui faltou é com textura lisa e pô ecogênico homogêneo com presença de linha central hiperecogênica essa linha central corresponde ao mediastino testicular em que mede aqui aproximadamente 2mm tá então eu tenho isso aqui e aí oi mi destino isso é um testículo lindo e maravilhoso eu tenho aqui olha e pedir demo cabeça aqui a cabeça do animal tá para cá né e aí pedido o cabeça corpo depende de uma cauda do epidídimo e aqui ou vai sair o ducto deferente que vai desaguar lá na próstata que a gente não vê o ducto deferente tá então aqui eu tenho essa parte aqui super linda bom então tem chegou na bolsa escrotal seguro testículos lá na bolsa escrotal e examina só isso sem mistério olha lá o testículo liso e homogêneo linha central em perigo gênica cauda do epidídimo aqui ó os dois testículos lindos da água mediastino textura lisa perfeitos e eu ia pedir jeová olha lá o epidídimo a gente praticamente não visualiza porque geralmente você pega o testículo olha testículo e cuidado para não esquecer de examinar o testículo exame porque começa a direto nele para não ter o risco de esquecer tá então quando a gente lembra de observar o epidídimo porque geralmente ele não aparece ele vai aparecer como uma estrutura tubular hipoecogênica e homogênea adjacente ao testículo então aqui olha ele aqui é o epidídimo então ele é um pouco mais escuro relacionado ao testículo tá e você vai ver ele ele vai passar aqui embaixo no testículo corpo e olha lá o rock a gente pode ter alteração de epidídimo e essas alterações depende de um irmão está relacionada de basicamente aí pedir demite onde você vai ter um aumento de volume pode ter coleções líquidas e também animais que sofreram cirurgia de vasectomia que hoje em dia é muito raro tá mas esses animais que são vasectomizados esses animais eles apresentam então uma obstrução no ducto deferente né que está cirurgia de vasectomia então essa obstrução do ducto deferente ela leva a um aumento de volume importante no epidídimo e isso é visualizado pela ultrassonografia e vamos ver aqui o epidídimo normal olha lá eu tenho aqui a cabeça do e pedido de um e aqui o testículo linda essa imagem aqui eu consegui fazer um corte só do epidídimo só pegando o corpo de pedido onde a gente nota que ele não é ele não tem uma textura tão lisa né ele tem uma textura um pouco mais grosseira porque ele é uma série de canais sinuosos que tem ali dentro então ele traz uma textura mais grosseira do epidídimo tá e beleza então continuando o que a gente vai ter de alterações intesticulo tá bom basicamente e a gente vai ter alteração muito importante e que é realmente um desafio para o ultrassonografista acontecendo aí tanto em cães quanto em gatos que vai ser a alteração chamada de criptorquidismo o criptorquidismo ele é uma patologia de origem congênita na qual não ocorre a descida dos testículos para a bolsa escrotal um criptorquidismo ele pode ser unilateral ou bilateral tá é é comum muito comum e os testículos fiquem retidos na região inguinal do animal e nesse caso eles ficam no tecido subcutâneo desse animal mas esses testículos eles podem também ficar retidos na cavidade abdominal do animal nada impede porque o testículo ele tem uma origem embrionária e na mesma localização do ovário ou seja origem embrionária do testículo é caudal ao rim então ele precisa migrar desde o polo o caudal dos rins até a bolsa escrotal então ele pode parar em qualquer lugar nesse trajeto tá é variável e aí é onde vem esse desafio para ultrassonografia que aí recai sobre a ultrassonografia a responsabilidade muitas vezes de localizar esse testículo para que o veterinário possa fazer a cirurgia com maior conforto sem ter que estar procurando agora dentro da barriga do lixo lá vamos lá bom então criptorquidismo ele vem a ser essa retenção dos testículos na cavidade abdominal ou escrotal os testículos criptorquídicos estão predispostos ao aparecimento de neoplasias principalmente quando abdominais sim neste caso ele pode perder as características ultrassonográficas compatíveis com o testículo claro que que tá acontecendo aqui bom lembrando que o testículo ele mora na bolsa escrotal ele gosta de morar na bolsa escrotal justamente porque ele prefere viver numa temperatura aproximadamente de cinco graus abaixo da temperatura do corpo tá então existem uma série de mecanismos que passam que fazem esse resfriamento do sangue para chegar no testículo esse afastamento do testículo da cavidade o ok então o que que acontece quando você tem um testículo localizado tanto na região inguinal quanto dentro da cavidade abdominal esse testículo ele tá sofrendo agressões constantes principalmente em relação à temperatura ele tá vivendo numa temperatura mais alta do que a desejável e isso vai levar a alterações a primeira alteração vai ser a degeneração testicular e ao longo do tempo esse testículo ele pode sofrer alterações relacionadas a neoplasia eles estão mais para disposto usar neoplasia tá apesar de que neoplasia extremamente comum testículos tópicos também então olha lá aqui eu tenho a visualização de um testículo esquerdo criptorquidico inguinal olha só aqui gente essa faixa ó tá vendo uma faixa aqui não tá muito claro mas tá dando para ver uma faixa aqui abdômen ó e aqui é subcutâneo então isso é uma informação muito importante para o clínico testículo visualizado na região inguinal a tecido subcutâneo ok mas mudar totalmente a cirurgia e olha que bonitinho esse aqui ó lembrando que o testículo ele também tem esse artefato do sombreamento lateral que pode te ajudar muitas vezes a encontrar esse testículo olha aqui ó mais um testículo esse aqui já com alterações ele não tá mais com aquela cara de testículo é um gato é pagar pecado mesmo você ter que procurar testículo de gato não é uma tarefa fácil pode tá abdominal e pode estar inguinal também olha aqui esse parece que tá abdominal olha aqui gente sombreamento lateral é mais um testículo aqui também de gato olha o sombreamento lateral zinho dele não tá aquela coisa super evidente ele tá aqui caudal a bexiga não é uma uma topografia comum e aqui tá o testículo bem bonitinho isso aqui e olha isso aqui aqui eu tenho um testículo abdominal ah que eu tô vendo a parede abdominal essa faixa branca aqui o tô vendo uma alça intestinal cortada transversalmente que tá do lado do testículo tá me ajudando a ver que ele é abdominal isso aqui é um testículo neoplásico tá abdominal olha o tamanho tá enorme segundo os testículos abdominais sempre estão menores e o testículo da bolsa só que quando viram uma neoplasia aí não aí pode se tornar maior claro pode se tornar enorme então é que eu tô vendo uma massa abdominal onde eu não estou reconhecendo as características de testículo eu vejo contorno irregular ecogênica heterogênea eu vou desconfiar do testículo sim porque provavelmente esse animal não tem um testículo então isso vai me fazer desconfiar e também porque essa imagem não vai estar ligada a nada praticamente eu não vou achar esse aí é um do morro no bar só não vou encontrar então eu vou pensar na possibilidade de ser um tumor em testículo criptorquídico abdominal e olha esse aqui também e esse aqui na verdade é um testículo aqui é o baço e era um testículo abdominal bem grande olha lá ah e não fazes bom aí não poesia no testículo já mostrei uma né ali então qualquer imagem visualizada no testículo que leve a uma alteração da arquitetura interna é um nódulo uma epirogênese heterogeneidade no testículo inteiro isso pode ser tanto tópico quanto criptorquidico tá qualquer imagem pode ser uma neoplasia e forma geral o que não é neoplasia se apareceu um cisto ou se aparecerem pontos hiperecogênicos compatíveis com mineralizações geralmente são achados no testículo e aí me desculpa é mas qualquer massa é a alteração que você perceber pode ser uma neoplasia e não plasias que podem aparecer no testículo sertolioma seminoma tumor de células intersticiais basicamente essas dessas todas a mais importantes e que vai trazer importância clean as células de sertoli grupo sem estrogênio então esse animal é o que ainda mal tem o tumor no testículo se ele tem uma síndrome de feminilização pode ser um sertole oma essa síndrome de feminilização é observada de forma geral como uma ginecomastia pode aparecer como um prepúcio um pênis bem pequeno e o animal pode também apresentar alterações de pele e de pelo queda de pelo alopecia alopecia e alterações de pele tá então essas são as alterações comumente relacionados ao hiperestrogenismo e o que é muito legal e que se animal sendo castrado ele pode ficar curado então acho muito legal bom então aqui só para mostrar um testículo aqui está apresentando perda da arquitetura interna e aqui eu vejo uma imagem heterogêneo aqui que deve ser uma massinha uma formação então isso essa imagem sugere uma neoplasia mês testículo aqui também olha essa imagem é uma é um testículo parece ter uma massa aqui mas você vê que ele tá todo manchado eu não vejo o mediastino então me sugere que tem uma neoplasia nesse testículo tá fui ver se tinha mais coisa então antes da gente acabar eu vou pegar para vocês uma hiperplasia prostática que ficou faltando e eu lembro não esqueci sophie gatinha gatinho e vamos aqui a o vídeo pornô o que é tinha música jesus vão fazer agora é e olha aqui vamos ver esse vídeo naruto e aí e olha lá escuta aqui para repetir olha aqui olha só por esta tá bem grande né aqui a gente está vendo a uretra é um corte longitudinal ela tá um pouquinho lá enxadinha mas aquilo olha como é que ela tá com perda do formato anatômico também e tá irregular vamos ver uma perda do formato anatômico também e aí e aí é um viesse aqui olha lá mais uma próstata aqui aumentar dinha e aí esse é um pouquinho manchada 11 o ipad fazia bonita vamos ver e olha lá que bonita mesmo acho que essa tétano na aula daqui também perda de formato anatômico tá um pouco não muito lisa e enorme essa proposta é e aí mas essa e olha lá que lindo olha lá gente que enorme nós vamos pegar uma normal aqui só para gente lembrar e pega uma normal ó fala para ela que bonitinha e aí ah esqueci que a foto demora mais que o vídeo vão para o vídeo e olha que bonitinha essa falar bexiga e aqui aparece a próstata olha a uretra lá no meio é bonitinha é para gente olha essa aqui ó oi ó e esse já tinha sido castrado mas ainda estava em processo de involução e aí e aí e logo esquerdo ao logo e outro logo olha essa varredura deu para entender onde eu tô vendo focando no logo e no outro logo logo esquerdo para o lado direito outro logo o negócio imagens e aí g1 e olha lá mais uma aqui olha que bonitinho esse ó tá bem bonitinha né bom então só para ver a diferença né quando ela fica toda alterada com perda de formato anatômico e tal e aí e isso tem mais uma aqui de próstata com abscesso e aí o opa e não mas isso aí não é a próstata gente e aí é nesse olha se a cistite e olha essa abscesso só que é um abcesso na próstata vão ver de novo olha olha isso ó oi amor tá lindo assim um skatinho olha lá mais uma proposta tá aqui olha dois abscessos e o colo aqui ó colo e aí e aí eu acho que não faltou nada e é isso pessoal é ah é ah é o que eu queria passar para vocês sobre próstata testículos útero e ovários vocês têm alguma pergunta e eu vou parar de gravar um e aí

Loading